sábado, 30 de janeiro de 2010

Um pouco do trabalho do grupo Uakti

O Uakti é um grupo brasileiro de música instrumental, formado por Marco Antônio Guimarães, Artur Andrés Ribeiro, Paulo Sérgio Santos e Décio Ramos. O Uakti é conhecido por utilizar instrumentos musicais não convencionais, construídos pelo próprio grupo.

O nome do grupo se origina de uma lenda dos índios Tukano. Uakti era um ser mitológico que vivia às margens do Rio Negro. Seu corpo era repleto de furos que ao serem atravessados pelo vento emitiam sons que encantavam as mulheres da tribo. Os homens perseguiram Uakti e o mataram. No local onde seus restos foram enterrados nasceram palmeiras que os índios usaram para fazer flautas de som encantador como os produzidos pelo corpo de Uakti.






uakti - Danca Dos Meninos


Conheça um pouco de Pereira da Viola

Pereira da Viola é um cantador, violeiro e compositor brasileiro nascido em Teófilo Otoni, nordeste de Minas Gerais e que faz pesquisas da cultura popular pelo Vale do Jequitinhonha, uma das regiões mais pobres do Brasil, mas ricas em diversos tipos de manifestações culturais.

Pereira da Viola e Tainã


Pereira da Viola - Bolero e Habanera

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Prefeitura arrecada mais, mas investe menos no ano passado

Do Jornal da Tarde hoje (29)

"A gestão do prefeito Gilberto Kassab (DEM) arrecadou mais no ano passado, mas investiu menos do que em 2008. Mesmo com a crise econômica mundial, a arrecadação de impostos da capital paulista no ano passado superou em 3,6% a do ano anterior - passou de R$ 22,2 bilhões para R$ 23 bilhões. Ao mesmo tempo, os investimentos foram reduzidos em 18%, o que afetou principalmente novas obras, como a construção de três hospitais (leia abaixo). Já a verba aplicada na prevenção a enchentes caiu 13% (veja ao lado). Os valores se referem à administração direta, sem autarquias e fundações". Leia mais.

Menos 13% para obras antienchente

Deu no Jornal da Tarde hoje (29)

Prefeitura de São Paulo reduziu em 13% o investimento em obras de combate a enchentes no ano passado. A verba empenhada (comprometida para gasto) nas principais obras de drenagem caiu de R$ 330 milhões, em 2008, para R$ 287 milhões, em 2009. Os dados foram extraídos do Sistema de Execução Orçamentária (NovoSeo) pela Liderança do PT na Câmara Municipal.

Apesar de ter aplicado menos dinheiro na prevenção dos efeitos da chuva, o prefeito Gilberto Kassab (DEM) usou as enchentes como justificativa para congelar R$ 2 bilhões do orçamento da cidade este ano, fixado em R$ 27,9 bilhões. Segundo ele, a verba será necessária para implementar ações como reurbanização de favelas, recuperação de mananciais e coleta do lixo. Leia mais.

Só promessas

Do Jornal da Tarde hoje (29)

"Uma das principais promessas de campanha à reeleição do prefeito Gilberto Kassab (DEM), a construção de três hospitais municipais não recebeu um centavo no primeiro ano de seu segundo mandato. Os centros médicos dos bairros Brasilândia, na zona norte, Parelheiros, na zona sul, e Vila Matilde, na zona leste, são exemplos de projetos afetados pelo corte dos investimentos promovido pelo governo municipal em 2009.

O arrocho atingiu principalmente os investimentos em obras e instalações, que sofreram uma redução de 21%. O total aplicado nesse item do orçamento caiu de R$ 1,87 bilhão para R$ 1,48 bilhão.

O corte também afetou outras promessas eleitorais de Kassab, como os repasses de verba ao governo estadual para a construção do Rodoanel e do Metrô.

O anel viário em torno da capital deveria ter sido contemplado com R$ 65 milhões, mas não recebeu nada. Para a expansão da rede metroviária estavam previstos R$ 218 milhões, mas chegaram R$ 50 milhões. A maior parte do dinheiro foi remanejada para cumprir outro compromisso de campanha do prefeito: manter o preço da passagem de ônibus em R$ 2,30. Para isso, a Prefeitura gastou R$ 808 milhões no ano passado com o pagamento de subsídios às empresas de ônibus. Já em 2010, a tarifa subiu para R$ 2,70".

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Insegurança só cresceu com PSDB em SP


Do Jornal da Tarde:

Latrocínios crescem em 2009

No ano passado foram registrados 98 crimes na capital, contra 69 casos ocorridos em 2008

Josmar Jozino

"Pelo menos 19 latrocínios (roubos seguidos de morte) foram registrados na capital no quarto trimestre do ano passado, totalizando 98 casos em 2009 contra 69 em 2008, um aumento de 42,02%. Os números são do Infocrim, um banco de dados da Secretaria da Segurança Pública (SSP).

O total de casos, no entanto, pode aumentar e ultrapassar a casa dos 100 latrocínios em São Paulo em 2009. Isso porque algumas vítimas de ladrões podem ter sido feridas na ação criminosa e morrido dias depois. Além disso, há situações em que a Polícia Civil registra o caso, a princípio, como homicídio e no decorrer das investigações apura que foi latrocínio".

Caos no extemo leste de São Paulo

São 50 dias embaixo d’água e a situação só piora no Jardim Romano, zona leste da capital. Com as intensas chuvas do início da semana, pontos que ainda não haviam sido atingidos pelas enchentes acabaram tomados pelas águas.

“É o repeteco do que aconteceu nos lugares já afetados. A água desce um pouco, aí chove e sobe mais do que desceu. Nesse ritmo, daqui a pouco não vai mais ter nada seco aqui”, disse a dona de casa Albertina Noleto, de 43 anos, moradora da Rua Duarte Martins Mourão, no Jardim Romano, cuja casa foi invadida pela água pela primeira vez anteontem. Leia mais.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Descaso total!

Deu no Jornal da Tarde , hoje (27):

"O prefeito Gilberto Kassab (DEM) congelou R$ 19,6 milhões do orçamento destinado às subprefeituras para intervenções em áreas de risco na capital, ou 100% do total. A decisão foi tomada na última quinta, mesmo dia em que quatro pessoas morreram na capital soterradas por desabamentos provocados pela chuva. E também atingiu 60% do dinheiro destinado para a mesma atividade pelo gabinete do secretário de Coordenação das Subprefeituras, Ronaldo Camargo – de R$ 9,9 milhões, estavam bloqueados ontem, segundo o Sistema de Execução Orçamentária de Câmara Municipal (NovoSeo), R$ 5,9 milhões. No total, de R$ 29,6 milhões, estão bloqueados R$ 25,6 milhões.

A Prefeitura alega que apenas os recursos das subprefeituras foram congelados porque serão remanejados nos próximos dias para os orçamentos das pastas de Subprefeituras e Habitação (leia ao lado). A medida, que faz parte do contingenciamento de R$ 2 bilhões do Orçamento da cidade anunciado na quinta passada pelo secretário municipal de Planejamento, Rubens Chammas, surpreendeu os subprefeitos, que disseram não terem sido informados da medida. Dois deles confirmaram o fato ao JT. “É de chorar. Acabei de levantar obras de emergência necessárias na região em função das chuvas e disse à população que começaríamos a agir o mais rápido possível. Aí, descubro que não há um centavo liberado para o serviço”, disse um deles, que pediu anonimato". Leia mais.

Comentário: Quase todos os chefes de executivo adotam, no início de ano, o contingenciamento orçamentário como forma de planejamento financeiro e, ao longo do exercício vão ajustando as contas e liberando os recursos de acordo com as prioridades. O contingenciamento em si não é um mal. O que não dá para entender é o contingenciamento adotado pelo prefeito para as áreas de risco. Ora, as chuvas se iniciaram ainda no mês de dezembro de 2009, portanto ainda no exercício orçamentário anterior. O prefeito sabia de todos os transtornos causados pelas chuvas na cidade e mesmo assim optou por congelar as verbas destinadas às subprefeituras para obras de contenção de risco. Conclusão: ou prefeito agiu consciente, portanto de má-fé, ou então foi muito mal assessorado por sua área financeira.

PS: Enquanto a previsão orçamentária da cidade para 2010 na área de propaganda é de R$ 126 milhões, somente R$ 36 milhões foram previstos para as áreas de risco. Só propósitos eleitoreiros podem explicar tamanha desproporção!

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Dez anos de Forum Social

Articulado para ser um espaço de balanço de uma década de encontro e marcado pela presença de cidades da região metropolitana da capital gaúcha, o Fórum Social 10 anos: Grande Porto Alegre aguarda a presença de chefes de estado como Lula, Evo Morales, Pepe Mujica e Fernando Lugo.

Cerca de mil pessoas participaram da abertura do evento, nesta segunda-feira, na usina do Gasômetro. Presidente Lula falará aos participantes do Fórum nesta terça-feira. Leia mais no portal Carta Maior.

sábado, 23 de janeiro de 2010

O velho escândalo do Detran com o PSDB

Dos jornais O Estado de S. Paulo e JT:

Governo foi alertado sobre fraude no Detran, diz perito

Perito contábil diz que ex-governador Alckmin e cúpula da SSP sabiam de pregão manipulado

André Mascarenhas

"O ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) e a cúpula da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo teriam sido alertados, em janeiro de 2006, de fortes indícios de manipulação em um pregão que garantiu o controle de todo o serviço de emplacamento de veículos no interior do Estado a uma única empresa, a Cordeiro Lopes, suspeita de ser uma firma fantasma. A denúncia foi protocolada no palácio do governo por um perito contábil que participou do pregão. Ele afirma também ter alertado pessoalmente o então governador. A Cordeiro Lopes é alvo de investigação do Departamento Estadual de Trânsito (Detran)".

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Um pouco de Renato Braz

Nascido em São Paulo, Renato Braz cresceu com a música. Aos quinze anos começou a se familiarizar com a percussão e logo assumiu o posto de baterista tocando nas noites.

Como vocalista e baterista, Renato Braz cresceu cantando em festivais. O artista teve a chance de se apresentar ao lado de grandes nomes da música brasileira como Luiz Melodia, Antônio Nóbrega e Ney Matogrosso, ganhando reconhecimento e público.

Em sua carreira de sucesso, lançou, entre outros, o disco Outro Quilombo, com interpretações de músicas de Caetano Veloso e Gilberto Gil. Esta obra foi ganhadora do Prêmio Visa "Edição Vocal de 2002" e elogiada pela crítica do país inteiro. Em 2003 foi mais uma vez premiado com o seu disco, Quixote, na categoria "Melhor Cantor" no Prêmio Visa de MPB.

Pura falta de manutenção


O túnel Tribunal de Justiça permaneceu interditado todo o dia de ontem (21) em decorrência das fortes chuvas que atingiram São Paulo. O local permaneceu alagado, após as duas bombas responsáveis pela retirada da água do túnel "afogarem".

Os pontos de alagamentos tem aumentado na cidade. Locais nunca antes alagados passaram a sofrer com inundações. Até o minhocão! Incompetência!

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Falta de manutenção em todos os bairros

Do Jornal da Tarde:


Esgoto vaza nos Jardins há 32 dias

Moradores de bairro nobre reclamam do mau cheiro e da presença
de ratos e baratas


MARCELA SPINOSA

“Isso é esgoto (cocô). Não é água da chuva. Faz 32 dias.” O papel com essas frases colado na placa de sinalização, o mau cheiro e as poças em um trecho de 600 metros não deixam dúvidas: o incômodo é provocado pela rede de esgoto rompida. Alguém pode até imaginar essa cena no Jardim Romano, bairro do extremo da zona leste da capital, inundado desde o dia 8 de dezembro, mas a situação se passa na Rua Maestro Chiafarelli, em pleno Jardim América, na zona oeste, um dos bairros mais valorizados da capital".

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Fórum Econômico Mundial homenageará Lula

Do porta UOL

"O presidente Luiz Inácio Lula da Silva será homenageado pelos seus oito anos consecutivos de Governo na 40ª edição do Fórum Econômico de Davos, que será realizada na cidade suíça de 27 a 31 de janeiro.

"Estamos encantados que o presidente Lula retorne a Davos em seu último ano de mandato. Queremos fazer uma homenagem pela alta estima do mundo e por seus bem-sucedidos anos à frente do Brasil. Um país em constante crescimento e que será chave no futuro próximo", assinalou em entrevista coletiva Klaus Schwab, diretor executivo do Fórum Econômico Mundial (FEM)". Leia mais.

Pesquisa do Ibope aponta queda forte

Matéria em destaque nos principais jornais hoje, a queda brutal da aprovação do governo Kassab foi captada em pesquisa do Ibope encomendada pela ONG Movimento Nossa São Paulo. Veja trecho de reportagem do Jornal da Tarde desta quarta-feira (20):

Cai aprovação da gestão Kassab

"A aprovação da gestão do prefeito Gilberto Kassab (DEM) teve uma forte queda no último ano. A pesquisa aponta redução de 46% para 28% entre as pessoas que a consideram ótima/boa. Por outro lado, os que avaliam ruim/péssima mais que dobraram - passaram de 12% para 26%". Leia mais.

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

O "planejamento" na área de pedágios...

Do Jornal da Tarde:

Com cobrança, motoristas devem migrar para a Tietê

Fábio Mazzitelli e Naiana Oscar

"Com o fechamento do acesso da Rodovia Castelo Branco ao Rodoanel Mario Covas e a obrigatoriedade do pedágio, os motoristas devem procurar alternativas para fugir da cobrança. Uma delas é a própria Marginal do Tietê. Consultores na área de tráfego ouvidos pelo Jornal da Tarde afirmam que a implantação de pedágio sempre leva os usuários a buscarem caminhos mais baratos - o que, nesse caso, significa optar por atravessar a cidade em vez de optar pelo Rodoanel, cuja grande finalidade é tirar o transporte de carga das vias urbanas".

domingo, 17 de janeiro de 2010

ARTIGO

O Estado não pode tudo

Por João Antonio*

O jornal O Estado de S. Paulo, sem renegar seu alinhamento ideológico, nem o seu comprometimento com o conservadorismo político - nem mesmo com aqueles que mancharam a história do Brasil quando tomaram de assalto o Estado brasileiro e impuseram uma ditadura violenta e sanguinária -, escreve em seu editorial de 17/01/2010 pesadas críticas ideológicas ao Partido dos Trabalhadores.

Das críticas, o que da para inferir é que o jornal atribui como projeto estratégico do PT o regime de partido único, economia planificada, “ditadura do proletariado”, enfim tudo aquilo que caracterizou as experiências socialistas nos moldes stalinistas no mundo. Ledo engano! Vejamos:

O jornal escreve: “Deputado na Constituinte de 1988, Lula desobedeceu ao comando do seu partido ao assinar a Constituição que ela produziu. A bancada do PT recusou-se a assiná-la. Não fora para substituí-la por uma democracia burguesa que os seus futuros companheiros do PT lutaram contra a ditadura da direita.

Ao que eles visavam era outro tipo de ditadura, parecida com isso que está no Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH), ou seja, um projeto de populismo autoritário organizado na forma de uma democracia direta - assinado pelo presidente Lula.

Estabelecido esse regime, Congresso e Judiciário ficariam em segundo plano. As decisões importantes seriam transferidas para o chefe do Executivo, apoiado diretamente em comissões, conselhos e organizações cooptadas pelo poder central, subordinadas à sua orientação ideológica e nutridas, quase sempre, com dinheiro do Tesouro.

Esses grupos podem ser movidos por ideologia ou, no extremo oposto, por interesses meramente fisiológicos. Exemplos deste último caso são facilmente identificáveis no peleguismo brasileiro e na permanente procura de boquinhas na administração pública
”.

A afirmação do Estadão de que Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH) retoma o “velho propósito” do PT de fortalecer um projeto de democracia direta autoritária, concentrando o poder nas mãos do presidente e esvaziando os demais poderes, Legislativo e Judiciário, não passa de mera divagação ideológica na tentativa de dar uma substância diferente, do que de fato é, a um documento importante, expressão de acúmulo histórico na área dos direitos humanos no mundo. Tudo que está no citado documento, incluindo a punição a torturadores, nada mais é do que a reprodução dos princípios contidos na Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU.

Quis o Estadão dizer que os “Conselhos” ali propostos são os Soviets soviéticos ou CDRs cubanos? Para o jornal, “concentrar o poder nas mãos do presidente” seria a tentativa do PT de reeditar um modelo do tipo secretário geral do PCUS que também era o chefe do Estado soviético? Ora! Nada mais ridículo reeditar, dando tamanha importância a este tipo de debate ideológico no contexto posto.

Querer ideologizar este fato e atribuir como causa primeira petista a defesa de uma “ruptura revolucionária” para implantar outro tipo de “ditadura” é “forçar a barra”, é não reconhecer que o PT nasceu fazendo crítica as burocracias stalinistas e nunca adotou, como seu, o modelo de partido “leninista”, cujo centralismo “democrático” favorece uma casta burocrática em detrimento da participação democrática dos seus membros.

Talvez o Estadão não se lembre ou não queira se lembrar que o PT ofereceu apoio, de primeira hora, ao movimento Solidariedade na Polônia, movimento símbolo de rompimento com os equívocos das burocracias “comunistas” do leste europeu. 

Pior ainda é querer 'linkar' esta falsa polêmica ideológica à postura da bancada petista na Constituinte de 1988. Quem disse que os deputados petistas não assinaram a constituição por não verem na democracia representativa um modelo adequado de representação dos anseios do povo? Na verdade, apesar de haver posições esquerdistas no seu interior, para a maioria petista, o móvel, ao não assinar a atual Constituição, a meu ver hoje, uma posição equivocada, foi a constatação de que o texto aprovado não expressava, em sua totalidade, o conjunto dos direitos fundamentais que o partido reivindicava positivar na carta maior, e que, naquelas circunstâncias, assinar a Constituição poderia significar uma abdicação de tudo o que foi defendido, porém a correlação de forças não permitiu sua positivação.

Ferdinand Lassalle, considerado um precursor da social democracia alemã afirma: “As constituições são consequências dos mutáveis fatores sociais que condicionam o exercício do poder. A Constituição rege efetivamente o poder político de um país em virtude das condições sociais, econômicas e políticas nele dominantes; ela reside nos fatores reais e efetivos do poder que dominam a sociedade, podendo haver contradição entre a Constituição real e a Constituição escrita; sempre que tal ocorre, a Constituição escrita é ou afastada, ou reformada, ou colocada em sintonia com os fatores materiais do poder da sociedade organizada, que é mais forte”.
 
Para aqueles que desejam manter o atual “status quo”, muito pouco precisa ser feito em matérias constitucionais. Para aqueles, como Lassalle, que entendem que uma constituição expressa a real correlação de forças sociais, econômicas e políticas de uma época, todo momento é tempo de mudanças ou adequações com o objetivo de ampliar as conquistas da coletividade.
 
Prossegue o editorial: “Democracia direta é sempre democracia apenas no nome. O sistema representativo, tal como instituído nas sociedades ocidentais modernas, é certamente imperfeito e vulnerável ao poder de grupos. Mas dispõe de mecanismos, em geral eficientes, para canalizar e amortecer as pressões, confrontar e pesar interesses e, é claro, para estabelecer um razoável equilíbrio entre os Poderes de Estado.

A democracia direta elimina esses mecanismos de segurança, em nome dos "interesses do povo". O decreto do PNDH valoriza o recurso às decisões plebiscitárias e sugere a concessão ao "povo", além de uma participação maior na elaboração de leis, do poder de veto. Leis de iniciativa popular já são previstas na Constituição de 1988, mas não o veto popular
”.

Para responder cito: “A vontade geral só erra quando enganada. Ela não pode querer mal a si mesma, mas pode apenas confundir um bem aparente (um bem particular) com o bem verdadeiro (o bem geral). A garantia contra este “engano” é a participação, no Estado, de cada um como cidadão, ou “que não haja sociedade parcial no Estado e que cada cidadão opine apenas a partir de si mesmo”. Mesmo sob o predomínio do particular, a vontade geral nunca deixa de existir, razão pela qual ela deve sempre ser consultada”. (Karl Marx “Crítica da Filosofia do Direito de Hegel”: Pag. 24, Ed. Boitempo)

Por que ter medo da democracia direta? Para aqueles, como eu, que defendem a democracia como a expressão da vontade coletiva de um povo, quanto maiores forem os mecanismos institucionais de participação popular, garantidos inclusive na constituição, maior será o controle do Estado, melhor será a sua instrumentalização em beneficio de todos.

Não é desejável o Estado a serviço de uma elite, muito menos de uma burocracia, seja ela de esquerda ou de direita. Não é desejável também qualquer tipo de manipulação do povo, seja esta vinda de grupos que se arvoram donos da consciência coletiva como se estivessem acima do bem ou do mal, ou de parcela da mídia que se diz dona da opinião pública, em nome de quem fala a todo tempo sem expressar, necessariamente, a média do que pensa a sociedade.

O Estado existe para defender o bem comum e um bom conceito de bem comum foi formulado pelo Papa João XXlll: “O bem comum consiste no conjunto de todas as condições de vida social que consintam e favoreçam o desenvolvimento integral da personalidade humana”.

Neste mesmo diapasão  o mestre Dalmo de Abreu Dallari arremata em sua clássica obra Elementos de Teoria Geral do Estado: “Ao se afirmar, portanto, que a sociedade humana tem por finalidade o bem comum, isso quer dizer que ela busca a criação de condições que permitam a cada homem e a cada grupo social a consecução de seus respectivos fins particulares. Quando uma sociedade está organizada de tal modo que só promove o bem de uma parte de seus integrantes, é sinal de que ela está mal organizada e afastada dos objetivos que justificam sua existência”. (Ed. Saraiva, 28ª edição, pg 24).

No afã de defender os privilégios de pequenos segmentos das elites, que sempre foram privilegiados na relação com Estado brasileiro, os editores do Estadão, de forma extemporânea, tentam ideologizar um debate e estigmatizar o PT como um partido ultrapassado no tempo político. Não é o que pensa o povo brasileiro, como atestam os 80% de aprovação do governo do presidente Lula, em que pesem posições contrárias do citado jornal.

O Estado brasileiro vai continuar a ser democratizado porque estes são os anseios de milhões de brasileiros. Ninguém vai conseguir calar o canto de nossa gente.

* Vereador, líder da bancada do PT na Câmara paulistana e vice-presidente do PT Estadual de São Paulo.

sábado, 16 de janeiro de 2010

3º Seminário do NOVO RUMO, na Câmara


Desde 10h desta manhã acontece o 3º Seminário do grupo UM NOVO RUMO PARA O PT, que reúne lideranças, parlamentares e militantes do PT de diversas cidades de São Paulo para discutir e aprovar a tese a ser apresentada no Congresso Nacional do PT em fevereiro próximo.

Estão presentes deputados federais, estaduais, vereadores, presidentes de diretórios zonais, filiados e grupos de petistas que integram o NOVO RUMO. O seminário vai até as 14h, quando será votado o documento final.

Acompanhe os desdobramentos do encontro através do meu twitter:

www.twitter.com/joaoantoniopt

Coleta continua com problemas

Do Jornal da Tarde, hoje (16):

Faltam dados de coleta seletiva

Horários da coleta normal estão em sites de concessionárias, mas não os da seletiva

"A coleta seletiva de lixo em São Paulo também deveria ter seu horário exato divulgado à população pelas concessionárias responsáveis pelo serviço, assim como prevê a lei da coleta de lixo com hora marcada sancionada pelo prefeito Gilberto Kassab (DEM) na semana passada. No entanto, nenhuma das empresas, informa a hora exata em que os caminhões da coleta seletiva passam pelas ruas - os dados sobre a “normal” já estão disponíveis nos sites das concessionárias". Leia mais.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

A CPI do DEM e o sucesso de "Avatar"

Da coluna Painel, da Folha de S. Paulo:

"3D. Piada que correu ontem durante instalação da CPI do Panetone na Câmara Legislativa: a Durval (Barbosa) Filmes lançará o "Abafar", em referência ao domínio de aliados de José Roberto Arruda para esfriar a investigação".

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Mais um ano de inoperância?

FOTO: BLOG "COBRA NOTÍCIAS"

Do Jornal da Tarde:

Capital suja até 2011; Prefeitura admite falhas na limpeza

Problema deve ser resolvido na próxima licitação, com previsão de conclusão em novembro deste ano. Poder público diz que não consegue executar o serviço e fiscalizá-lo e que vai diminuir o número de empresas, de cinco para duas

NAIANA OSCAR

"A Prefeitura admitiu ontem que tem dificuldades para fiscalizar e executar, ela própria, a limpeza urbana em São Paulo. Por esse motivo, anunciou um novo modelo de contrato para o serviço de varrição na capital. As duas empresas que ganharem a licitação da varrição vão assumir também a limpeza dos bueiros e a operação dos locais destinados ao recolhimento de entulho (ecopontos), de responsabilidade municipal. A assinatura do novo contrato está prevista para novembro. Até lá, a cidade terá de conviver com a deficiência no serviço de limpeza". Leia mais.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Brasil perde Zilda Arns


Do Portal UOL:

Terremoto mata Zilda Arns no Haiti

"O gabinete do senador Flávio Arns (PSDB-PR) confirmou nesta quarta-feira (13) que Zilda Arns morreu em missão no Haiti, país que sofreu um terremoto de 7 graus na escala Richter nesta terça-feira. O senador é sobrinho de Zilda Arns.

Zilda Arns, 75, fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança e da Pastoral da Pessoa Idosa, estava em missão humanitária no país e está entre as vítimas do terremoto

Médica pediatra e sanitarista, Zilda Arns era fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança e da Pastoral da Pessoa Idosa. A Pastoral da Criança é um órgão de Ação Social da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil)".

A 'indústria da multa' revigorada

Do Jornal da Tarde, hoje:

Arrecadação com multas bate recorde em São Paulo

Prefeitura diz que receita de R$ 473 milhões com infrações em 2009 se deve ao aumento da fiscalização, mas integrantes de juntas de recurso afirmam que valores também refletem restrições a caminhões e ônibus fretados

"O município de São Paulo registrou um recorde de arrecadação com multas de trânsito em 2009. Entre janeiro e dezembro, foram R$ 473,3 milhões. O valor é maior do que o orçamento de 5,5 mil cidades brasileiras, entre elas cinco capitais. Só 62 municípios têm em caixa uma quantia maior do que a que foi arrecadada com infrações na capital paulista. Com esses recursos, daria para instalar semáforos inteligentes em 2 mil cruzamentos e seria possível construir 40 terminais de ônibus. O valor vai para dois fundos, um municipal e um federal, para investimentos com trânsito e para o Estado".

COMENTÁRIO - Com tantos recursos disponíveis, espera-se que a prefeitura realmente faça investimentos que melhorem o caótico trânsito da cidade. O chamado "excesso de carros" não pode se 'escorar' na inoperância administrativa.

Vaccarezza comenta rumo eleitoral em 2010


Leia abaixo trecho de entrevista do líder do PT na Câmara dos Deputados, Cândido Vaccarezza, concedida a Ullisses Campbell, do Correio Braziliense. Vaccarezza, fala sobre sucessão presidencial e em São Paulo.

Correio - O que falta para o PT lançar candidato próprio ao governo de São Paulo?

Vaccarezza - Ainda estamos decidindo o que fazer em São Paulo. O PT quer constituir uma frente capaz de ganhar as eleições paulistas e ainda ajudar a Dilma Rousseff a ser presidente do Brasil. Hoje, afirmo que o nosso candidato é do PT, não de outro partido.

Correio - Então o plano do presidente Lula de lançar o Ciro Gomes foi abortado?

Vaccarezza - Eu sou o maior defensor da candidatura do Ciro ao governo de São Paulo, mas ele não quer e não podemos impor isso a ele. Já está mais do que na hora de organizarmos outra possibilidade.

Correio - O Ciro diz que não quer conversa com o PT por causa da aliança do partido com o PMDB.

Vaccarezza - Esse é o erro crasso do Ciro. Só vamos ganhar a eleição no Brasil se fizermos alianças de centro-esquerda, principalmente com o PMDB, um partido democrático e que participou da luta contra a ditadura. Além do mais, o Ciro se elegeu deputado pelo Ceará com base numa aliança com o PMDB. Criticar a aliança, hoje, é contraditório.

Correio -Na ausência do Ciro, qual o nome mais viável?

Vaccarezza - O primeiro deles é o Emídio de Souza, prefeito de Osasco. Ele quer ser candidato, está com vontade e é um nome novo, cheio de gás. Em minha opinião, seria o elemento surpresa na eleição paulista. Além dele, temos o Aloizio Mercadante, o Antônio Palocci e a Marta Suplicy.

Leia mais no site do Vaccareza.

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Surpresa!


Da Folha de S. Paulo, hoje (12):

Contribuinte só vai saber valor do IPTU ao receber carnê

"Às vésperas da chegada do carnê que traz aumento de IPTU de até 30% para imóveis residenciais e de até 45% para não residenciais, o cidadão ainda não sabe exatamente quanto pagará de imposto do seu imóvel.

Prometido para o início de dezembro, o simulador on-line que permitiria consultar os novos valores da cobrança ainda não ficou pronto. Segundo a Secretaria de Finanças, o programa apresentou problemas técnicos e não há estimativa sobre quando -e se- será lançado".

Agora só falta o Serra instalar o pedágio!


Reportagem de capa do Jornal da Tarde desta terça-feira (12) informa as alterações que o governo do tucano José Serra anuncia para as marginais do Tietê e do Pinheiros. Se confirmadas as especulações de órgãos do próprio governo, qualquer dia desses a notícia será sobre a instalação de praças de pedágio nas marginais - antigo sonho do PSDB!

Veja um trecho da matéria do JT. E se prepare, pois quando o Serra anuncia uma coisa, sempre vem outra em seguida:

Marginais terão semáforos no entorno e mais radares


Projeto de R$ 130 milhões prevê monitoramento com 25
câmeras e controle do fluxo de veículos que entram nas vias


Luísa Alcalde e Naiana Oscar

"Os 47 km das marginais do Pinheiros e do Tietê serão as vias mais monitoradas da capital. Um moderno sistema de vigilância de trânsito vai controlar a fluidez do tráfego e acidentes em tempo real. O número de radares que flagram desrespeito ao rodízio e excesso de velocidade deve dobrar em relação à quantidade atual. E o fluxo de veículos que acessam as marginais será controlado por semáforos com aparelhos que fotografam quem fura o sinal vermelho". Leia mais.

PEDÁGIO DEVE VIR MESMO - Já o Estadão de hoje publicou entrevista com um especialista afirmando que isso é a preparação do futuro pedágio. Veja um trecho:

Especialista em trânsito vê no projeto indícios de futura adoção de pedágio

"O presidente da Associação Brasileira de Monitoramento e Controle Eletrônico de Trânsito (Abrancet), Sílvio Médici, considera o projeto de monitoramento das Marginais ambicioso e não descarta a possibilidade de que toda essa estrutura seja transferida, no futuro, para a iniciativa privada. "Me parece que esse projeto vai terminar com a instalação de pedágio, pelo menos nas pistas expressas", diz.

"Só o fato de a obra estar sendo tocada pela Dersa já dá um caráter de rodovia ao projeto." Médici vê a medida com simpatia por ser uma forma de restringir o transporte individual. Em 2007, Prefeitura e Estado já davam sinais de que tinham a intenção de privatizar as Marginais. Em reportagem publicada na época, o prefeito Gilberto Kassab (DEM) dissera que delegaria a operação desses corredores ao Estado, que instalaria cabines de cobrança, por meio de parcerias público-privadas (PPPs)".

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Minha visita ao TCM nesta segunda-feira


COM O ATUAL PRESIDENTE ROBERTO BRAGUIM

Matéria reproduzida do site do Tribunal de Contas do Município de São Paulo:

Vereador João Antonio fala da importância do TCM

"O vereador João Antonio da Silva Filho esteve segunda-feira, 11 de janeiro, com o presidente do Tribunal de Contas do Município de São Paulo, Roberto Braguim, e o conselheiro corregedor Edson Simões. A visita foi uma cortesia a estes conselheiros por quem o vereador destacou ter muito respeito.

Para o parlamentar, o TCM tem muito a contribuir com a cidade de São Paulo. “O Tribunal de Contas, com o seu papel de órgão fiscalizador, tem auxiliado tecnicamente a Câmara Municipal para que possamos tornar mais eficiente o controle externo na Cidade de São Paulo.”

João Antonio, que é líder da bancada do PT, ressaltou que o Tribunal tem prontamente atendido às solicitações técnicas da Câmara e, segundo ele, “de maneira muito eficiente e com uma qualidade que talvez poucos órgãos da administração pública tenham”.

Segundo ele, em uma cidade onde tudo é macro – que tem um orçamento que beira os R$ 27,5 bilhões e onde tudo é muito complexo – a Câmara Municipal não conseguiria fazer a fiscalização à altura daquilo que a população merece sem o auxílio de um órgão como o Tribunal de Contas e com a competência e o preparo que seus servidores demonstram.

Na sua análise, em 2009 houve um maior entrosamento entre a Câmara Municipal e o Tribunal de Contas, sempre respeitando a função própria de cada instituição: “o Tribunal como um órgão técnico de auxilio e a Câmara no seu papel político de fazer um bom contrapeso com o Executivo, contribuindo para o aprimoramento da gestão pública, mas sem deixar de fiscalizá-lo”.

Um dos fatores que contribuíram para um maior entrosamento foi, segundo João Antonio, a disposição para o diálogo por parte do conselheiro Roberto Braguim que, neste ano, esteve na presidência. “Tenho um respeito enorme pelo presidente Braguim que vai além da sua contribuição para a cidade de São Paulo como dirigente do Tribunal de Contas. Ele é um grande amigo e temos sempre, na medida das nossas possibilidades, buscado um entrosamento maior entre minha bancada, o Legislativo e o Tribunal de Contas.”

João Antonio também destacou sua amizade com o conselheiro corregedor, presidente eleito do Tribunal de Contas para este ano, Edson Simões. “É um amigo e uma pessoa com um vasto conhecimento teórico sobre a Cidade de São Paulo.”

Novo capítulo do "escândalo do DEM"

Do jornal O Estado de S. Paulo:

Investigação liga vice de Arruda a rombo de R$ 27 mi

Ministério Público entrou com cinco denúncias na Justiça Federal contra construtoras de Paulo Octávio


"Em meio ao escândalo do "mensalão do DEM", o grupo empresarial do vice-governador do Distrito Federal, Paulo Octávio (DEM), é acusado de provocar um rombo de R$ 27 milhões aos cofres da Caixa Econômica Federal. O Ministério Público Federal entrou, há três semanas, com cinco denúncias na Justiça Federal contra as construtoras do vice-governador. O procurador da República Carlos Henrique Martins Lima cobra, entre outras coisas, a devolução do dinheiro à Caixa.

Paulo Octávio é a aposta do DEM para suceder o governador José Roberto Arruda, que deixou o partido após as denúncias de corrupção no governo". Leia mais.

domingo, 10 de janeiro de 2010

Políticas acertadas revertem migração


As políticas sociais adotadas pelo governo do presidente Lula trouxeram desenvolvimento e geraram oportunidades de trabalho e renda capazes de fixar grande parcela dos nordestinos em seus estados de origem. Além disso, essas ações foram responsáveis pela reversão do processo de migração do Nordeste para as regiões Sul e Sudeste do país, conforme mostra reportagem da Folha de S. Paulo deste domingo (10).

Este fenômeno certamente encheria de orgulho o saudoso mestre Luiz Gonzaga (foto), artista que soube retratar como ninguém o sofrimento, as dores, alegrias e realizações dos migrantes nordestinos.

Veja um trecho da matéria da Folha:

Em seis anos, mais de 400 mil nordestinos voltaram para cidade de origem

"Números apontam para uma inversão de sentido na rota dos nordestinos para o sul do país nos últimos anos. A professora do departamento de Economia da UFPB (Universidade Federal da Paraíba) Liedje Siqueira revela que a migração de retorno começou a existir em meados desta primeira década do século 21. Entre 2002 e 2007, os números mostram que mais de 400 mil voltaram para casa". Leia mais.

sábado, 9 de janeiro de 2010

Serra promove 'alagamento' das Marginais


O que era para ser o "alargamento" das Marginais em São Paulo foi transformado em "alagamento" pela obra faraônica do governador José Serra. Cada vez mais, especialistas criticam o projeto que consumirá R$ 1,3 bi e está impermeabilizando ainda mais uma região que, historicamente, sofre com os alagamentos.

Serra resolveu ampliar o problema, já que a Folha de S. Paulo mostra hoje (9) que justamente as Marginais concentram o maior número de pontos que ficam intransitáveis durante as chuvas. Veja um trecho da matéria abaixo:

Marginais são as vias que mais alagam


"Das 180 ruas, avenidas e praças que alagaram em dezembro do ano passado e nos sete primeiros dias de janeiro, 16 aparecem com mais frequência.

A Folha elaborou um ranking com base nos dados disponibilizados no site do CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências), que mostra que as marginais foram as que alagaram em mais dias nesse período.

No topo está a marginal Pinheiros, onde houve inundação em 15 dos 31 dias em que choveu no período.

A marginal Tietê vem depois: teve inundações em dez dias. A via, entretanto, teve pontos de alagamento mais intensos: foram 13 intransitáveis".

COMENTÁRIO - Ou seja, o que era para ser uma obra para "alargar" as Marginais acabará sendo para "alagar" ainda mais a área que já sofre com as enchentes na Capital

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Abandono completa um mês!

Matéria do Jornal da Tarde, hoje (8):

Jd. Romano alagado há 1 mês

Moradores resistem em deixar a área e contabilizam os prejuízos causados pela chuva

"Desesperança é o principal sentimento dos moradores que continuam em casas e ruas alagadas do Jardim Romano, na zona leste de São Paulo. Quem mora na área há mais de 20 anos contabiliza vários prejuízos e se entristece ao ver o mesmo cenário há um mês. Outros seis bairros da região enfrentam o problema e, após as chuvas de ontem, mais áreas ficaram ilhadas". Leia mais.

Governo Serra: trabalhando por você!


MANIFESTANTE RECEBIDO COM SPRAY DE PIMENTA


SERRA NÃO TOLERA MANIFESTAÇÕES POPULARES

As fotos acima retratam a repressão ordenada pelo governador tucano José Serra à manifestação popular organizada no centro da Capital contra o recente aumento das passagens de ônibus. Pelo jeito, teremos mais uma ação policial dessas do governo que "trabalha por você" mês que vem, quando ocorre o tarifaço dos trens e do Metrô - cujas companhias são administradas pelo governo estadual.

Músicas para alegrar seu dia

PAULINHO PEDRA AZUL

Paulo Hugo Morais Sobrinho, o Paulinho Pedra Azul, é um cantor, poeta, artista plástico e compositor brasileiro.

Nascido em Pedra Azul, no Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais, no dia 3 de agosto de 1954.

Além de músico, também é autor de 200 telas a óleo e acrílico e de 15 livros.[1]

Sua carreira artística teve início por volta dos 13 anos de idade, inicialmente com as artes plásticas. Enveredando pela música participou de um conjunto chamado “The Giants”, em que trabalhou com Rogério Braga, Mauro Mendes, Marivaldo Chaves, Salvador, Edmar Moreira e André, interpretando canções dos Beatles, The Fevers, Os Incríveis, Erasmo e Roberto Carlos, dentre outros.[carece de fontes?]

A partir do final dos anos 1960 participou de festivais regionais de música e de poesia, tendo realizado inúmeros shows em cidades do interior de Minas Gerais. Nos anos 70, mudou-se para São Paulo onde morou por dez anos, período no qual trabalhou com o cantor, humorista e ator Saulo Laranjeira, também oriundo de Pedra Azul. Retornou depois para Minas, se fixando em Belo Horizonte onde até hoje reside.

Durante o tempo em que viveu em São Paulo gravou seus três primeiros discos. O LP de estréia fez grande sucesso com a canção que lhe dá o título: "Jardim da Fantasia", popularmente conhecida como "Bem-te-vi".




-----------------------------------------------------------------------------------------------

ALCEU VALENÇA

Alceu Paiva Valença (São Bento do Una, 1 de julho de 1946) é um cantor e compositor brasileiro. Seu disco de estréia foi gravado em parceria com Geraldo Azevedo.

Nasceu no interior de Pernambuco, nos limites do sertão com o agreste. É considerado um artista que atingiu maior equilíbrio estético entre as bases musicais nordestinas com o universo dos sons elétricos da música pop. Influenciado pelos negros maracatus, cocos e repentes de viola, Alceu conseguiu utilizar a guitarra, - que chegou a galope montada nas costas do rock and roll de Elvis - com baixo elétrico e, mais tarde, com o sintetizador eletrônico nas suas canções.

Alceu Valença canta - Solidão

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

E o PSDB queria vender a preço de banana!


Do portal UOL:

Petrobras é a nona maior empresa do mundo em valor, diz consultoria

"A Petrobras é a nona colocada num ranking das empresas com maior valor de mercado no mundo. A lista foi divulgada nesta quinta-feira pela consultoria Ernst & Young. A lider do ranking é a PetroChina (com US$ 353,174 bilhões), segundo a Ernst & Young.

A segunda empresa com maior valor de mercado do mundo é a americana Exxon Mobil, com US$ 323,717 bilhões, e a terceira é a também americana Microsoft, com um valor de mercado de US$ 270,636 bilhões em 31 de dezembro do ano passado".

Eles levaram cinco anos para aprender...


Do Agora/Folha de S. Paulo:

Kassab retoma obra antiga de piscinão

"A administração do então prefeito José Serra (PSDB) engavetou em 2005 um projeto de quatro piscinões que visavam acabar com as enchentes no vale do Anhangabaú, como a que fechou o túnel na última segunda-feira e interrompeu o trânsito no centro".

Em outro trecho, a reportagem diz o seguinte: "À época em que o projeto foi engavetado, a Secretaria de Infraestrutura Urbana da prefeitura dizia que buscava encontrar um uso melhor para os US$ 104 milhões (R$ 181 milhões hoje) que a prefeitura, na gestão de Marta Suplicy (PT), obtivera para a obra junto ao BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento).

Cinco anos depois, os técnicos concluíram que a construção dos piscinões é a melhor forma de usar aquele recurso. O prefeito Gilberto Kassab (DEM) vai executar o projeto de 2004 sem qualquer alteração. O início das obras está previsto para este ano e elas devem durar dois anos. A prefeitura diz não saber em que mês as obras vão começar".

Autoritarismo serrista x especialistas


Do Boletim Brasília Confidencial:

Especialistas reagem às declarações de Serra sobre enchentes

“O governador precisa conhecer melhor o Estado que governa e saber que o combate às enchentes é de sua competência e não dos municípios”. Esta foi a forma como a professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, Ermínia Maricato, reagiu à fala de José Serra, que responsabilizou os municípios da Grande São Paulo por estarem impermeabilizando as várzeas do rio Tietê.

Ela, que já foi secretária executiva do Ministério das Cidades e faz parte do grupo de urbanistas que assinou manifesto contra as obras realizadas pelo governo do estado nas marginais do Tietê, disse que em vez de responsabilizar os municípios pelas enchentes, o governador deveria retirar a Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano S/A , Emplasa, do ostracismo: “A empresa é responsável pela elaboração do planejamento urbano da Grande São Paulo, programando, coordenando e executando os serviços na região metropolitana".

Para propaganda eleitoral

Trecho de matéria da Folha de S. Paulo desta quinta-feira (7):

Serra tenta arrecadar R$ 3,4 bi extras para obras em ano eleitoral

CATIA SEABRA

"Disposto a ampliar seu cardápio de obras, o governo José Serra tenta arrecadar R$ 3,4 bilhões extras no ano eleitoral de 2010. Desse total, R$ 1,2 bilhão não está registrado no Orçamento e poderá engordar a previsão dos investimentos."

COMENTÁRIO - Segundo a Folha, o que Serra pretende fazer é arrecadar mais com venda de ações de uma empresa pública, a venda da folha de salários dos servidores do Estado ao Banco do Brasil e com a concessão de novos trechos de pedágios em São Paulo.

Aliás, privatização de empresas públicas - das poucas que sobraram - e criação de novas praças de pedágio é a clássica receita do PSDB para administrar São Paulo. Por isso o governador tucano vai em busca da construção da imagem de "tocador de obras", pelo menos para exibir na propaganda eleitoral, caso seja mesmo o candidato do partido ao Planalto em 2010.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

A cantinela continua...


Do Jornal da Tarde, hoje (6):

Kassab culpa excesso de chuva por enchente

"Um dia após os paulistanos voltarem a enfrentar ruas e túneis alagados, queda de muro e deslizamentos de terra, o prefeito Gilberto Kassab (DEM) culpou o “excesso de água” como responsável por parar São Paulo pela quinta vez em um mês. “O que aconteceu ontem foi chuva, foi água”, disse Kassab em entrevista à Rádio Eldorado na manhã de ontem.

Kassab negou que o lixo tenha contribuído para os alagamentos e mudou o discurso com relação à capacidade da capital para as chuvas - há quatro meses ele havia declarado que a cidade estava “preparada para (enfrentar) as chuvas”. Ontem, mudou o tom. “(A cidade) está se preparando, está investindo e vai continuar investindo”, disse.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Mais uma promessa eleitoral não cumprida

Desde que se candidatou a um novo mandato, o prefeito Gilberto Kassab (DEM) descumpre seguidamente suas próprias promessas de campanha. A última é o adiamento, sabe-se lá para quando, do fim do chamado "turno da fome" (aulas no horário do almoço) nas escolas municipais. É o que informa o Jornal da Tarde em sua edição de hoje:

Kassab mantém turno da fome

Cerca de 20 mil alunos da rede municipal vão continuar estudando na hora do almoço em 2010

"A rede municipal de ensino de São Paulo vai manter o chamado “turno da fome” por pelo menos mais um ano no ensino fundamental. O município entrou em 2010 com 47 escolas de ensino fundamental (Emefs) organizadas com esse turno - eram 69 no ano passado. Quase 20 mil alunos começarão o ano letivo estudando nesse horário de aula.

O período intermediário de aulas espremido na hora do almoço, das 11h às 15h, limita a quatro horas diárias o tempo do estudante na sala de aula, dificulta a administração do colégio e não é recomendado por educadores. A meta inicial do prefeito Gilberto Kassab (DEM) era acabar com esse turno letivo ao final de 2008, promessa da campanha eleitoral daquele ano que não foi cumprida". Leia mais.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Bela mensagem!

“O Presidente Lula não é o filho do Brasil, ele é o Pai do Brasil!!! Digo isso porque depois que ele assumiu o comando do meu país eu renasci como cidadão. Hoje tenho minha casa, tenho meu carro e dois filhos na faculdade. Coisas que remotamente povoavam meus sonhos de pai de família. Obrigado Lula por me dar esta oportunidade de ser cidadão. Obrigado dona Lindu pela maior riqueza que a sra legou a esse país. O seu filho é nosso pai cidadão. Votei no Cara e vou votar na Coroa.” (Antonio Gomes, em mensagem postada dia 03/01/2010 no blog do Emir)

Qualidade do emprego melhora

Do portal IG:

Cresce a formalização do trabalho no Brasil, diz estudo da FGV

"Aos poucos a formalização avança no Brasil e reduz o universo dos trabalhadores informais que ganham a vida em casa ou nas ruas. É o que mostram dados da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Segundo o pesquisador Marcelo Neri, do Centro de Pesquisas Sociais (CPS) da FGV, a parte da população na categoria empregador aumentou de 3.347.564 (2007) para 4.095.249 (2008). Em parte isso acontece pela pressão dos formalizados sobre os informais.

“Imagine o impacto do McDonald’s na Rocinha na vida do vendedor de churrasquinho. Isso acontece em diferentes tipos de negócio”, analisa Neri. Um dos empurrões para o crescimento das empresas formais foi a Lei do Microempreendedor Individual, em vigor desde junho. A previsão era que até dezembro se chegasse a cem mil microempresários regularizados. Mas 2009 fecha com 110 mil, segundo previsão do Ministério do Desenvolvimento e do Sebrae. A adesão não foi maior porque nos primeiros meses o site para a regularização das empresas teve problemas".

Ônibus mais caros!

Do Jornal da Tarde, hoje:

Nova tarifa de ônibus começa a valer na capital

"A partir de hoje, a passagem de ônibus passa a ser de R$ 2,70, valor 17,4% maior do que a tarifa anterior, de R$ 2,30. Desde 2006, o preço não tinha reajuste, uma promessa feita pelo prefeito Gilberto Kassab em sua campanha eleitoral em 2008. Segundo a Prefeitura de São Paulo, o novo valor “corresponde apenas a defasagem provocada pela inflação desde novembro de 2006”. Leia mais.

COMENTÁRIO - O detalhe é que, só em 2009, a prefeitura repassou mais de R$ 800 milhões às empresas de ônibus com as chamadas "compensações tarifárias" ou "subsídios". Este ano a conta continuará salgada, além do que o preço da passagem é alto e não trouxe qualidade alguma ao transporte público municipal.

domingo, 3 de janeiro de 2010

SP: os motivos dos constantes alagamentos


Paulo Liebert -AE

Deu no Jornal da Tarde de hoje: “Dois micro-ônibus ficaram ilhados nas zonas leste e norte. Na Avenida Ordem e Progresso, no Limão, o Corpo de Bombeiros foi acionado e resgatou com um bote 14 pessoas, entre elas 2 crianças. Na Avenida Itaquera, na zona leste, dez pessoas foram resgatadas. Não houve feridos.

O Jardim Romano, na zona leste, voltou a ter problemas ontem. O nível da água que já estava acumulada voltou a subir à tarde.

Motoristas ficaram ilhados em carros na Alameda Nothmann, junto à Alameda Barão de Campinas, região central, e na Avenida Pompeia, na zona oeste, que chegou a ficar interditada no sentido Vila Madalena após a queda de uma árvore. Na zona norte, um Gol branco rodava pela avenida com quatro ocupantes, quando o Corpo de Bombeiros chegou e conseguiu resgatá-los.


São cada vez mais constantes os alagamentos na cidade de São Paulo. Moradores de regiões estruturadas da cidade, que nunca antes havia sido alagadas, hoje sofrem com constantes alagamentos, e em diversas regiões que foram ocupadas irregularmente em fundos de vales são constantes os transtornos causados pelas enchentes. Todos os anos ouvimos as mesmas cantilenas: moradores desesperados, perdas de entes queridos, prejuízos materiais, avenidas intransitáveis, congestionamentos recordes e irreparáveis prejuízos à economia da cidade.

Para os titulares do poder público o argumento também é o mesmo: a culpa é sempre da natureza, ou seja, choveu mais que o esperado. De fato, as imprevisões da natureza podem ser usadas como argumento em algumas circunstâncias, mas não podem ser a justificativa principal do caos que a cidade vem sofrendo a cada período de chuvas. As causas são mais complexas e o Estado, em última instância, é o principal responsável pelos constantes transtornos vivido pela cidade. Vejamos:

1- A cidade cresceu sob a égide do mercado imobiliário. Glebas inteiras foram objeto de loteamentos clandestinos, pior, com a conivência de agentes públicos, cuja forma de ocupação desordenada impôs ao poder público intervenções paliativas nestas regiões com o intuito de amenizar os problemas estruturais. Sem contar que, muitas vezes, agentes políticos, com mandatos eletivos, para satisfazer base eleitoral, fizeram e fazem intervenções urbanísticas em total desrespeito ao ordenamento jurídico da cidade.

2- Foi o poder público o responsável pela a ocupação desordenada das regiões de mananciais ou aquelas de fundo de vale. Em primeiro lugar com uma visão equivocada de ocupar as margens dos rios e córregos com avenidas e ruas, deixando o solo da cidade ainda mais impermeável e destruindo a necessária vegetação. Em segundo lugar, por falta de fiscalização, deixou as áreas de mananciais à mercê dos loteadores clandestinos. A população - seja por desconhecimento da legislação ou por desespero - na justa busca por moradia, aliás, um direito constitucional, aceitou as regras dos que agiam e agem à margem da ordem jurídica estabelecida, comprou seus lotes irregulares, construiu suas casas, consolidando populosos bairros, tornando irreversíveis tais ocupações com prejuízo incomensuráveis para o planejamento urbanístico da cidade.

3- Durante anos a cidade não teve um Plano Diretor, com regras claras, precisas que ordenasse, estrategicamente, o crescimento da cidade. E mesmo aquele que vigorou na cidade de São Paulo, gestado no governo Prestes Maia, versou basicamente sobre o viário público e com repercussão apenas no chamado centro expandido. Desde aquela época até 2004 os Planos Diretores foram meras formalidades sem nenhuma incidência real na vida da cidade. O Plano Diretor Estratégico, aprovado em 2004 que inovou em relação aos demais com uma nova visão de ocupação do espaço urbano, com medidas concretas de maior permeabilidade do solo da cidade, sejam com previsão de maior espaço permeável do solo nas novas construções, ocupação dos fundos de vale com Parques Lineares e construção de novos parques como medida para aumentar áreas permeáveis, consequentemente ampliando o verde na cidade, estão sendo implementados pela atual administração de forma tímida – muita propaganda, pouco resultado.

4- A falta de manutenção dos serviços de limpeza na cidade também contribui para o aumento dos pontos de alagamentos. As subprefeituras, enfraquecidas, cada vez com menos recursos, não conseguem manter os serviços de limpeza e conservação da cidade. A consequência são os bueiros obstruídos por lixo, córregos assoreados e mais enchentes na cidade.

5- Por fim, não podemos esquecer a responsabilidade do governo do estado e dos municípios vizinhos na solução dos problemas das enchentes na cidade. Quase todas as principais bacias que cortam a cidade vêm de outros municípios. Portanto, é preciso projetar soluções integradas, sem as quais, qualquer medida é imperfeita e de solução mediana.

Como vimos, os problemas que geram as enchentes em nossa cidade, além de complexos, perpassam por sucessivas gerações. Podemos concluir que as causas das enchentes na cidade de São Paulo são decorrentes de duas grandes deficiências: ocupação desordenada das cidades da região metropolitana por conta da omissão do poder público e do imediatismo político daqueles que governam o estado e a cidade de São Paulo. Talvez se o calendário eleitoral fosse alterado para o período das chuvas, as soluções estratégicas para solucionar este problema viessem com maior rapidez.

Lembre-se: os tucanos governam o estado de São Paulo há 16 anos e no caso da cidade de São Paulo, a aliança PSDB/DEM já vai para o sexto ano de governo. Pouco se sabe das soluções de curto, médio e longo prazo para as enchentes em nossa cidade.

sábado, 2 de janeiro de 2010

Isso é uma Vergonha!!

Quem diria que uma pessoa que imaginamos conceituada fosse capaz de uma baixaria tão preconceituosa! É por isso que o artigo do Gilson Caroni que publiquei abaixo merece todo o meu apreço.


Contorcionismo para servir a direita

Recomendo a leitura do artigo abaixo - “A direita e o suplício do Papai Noel” de Gilson Caroni Filho publicado esta semana no portal Carta Maior. De fato, como bem escreve Caroni, enquanto o presidente Lula é homenageado por conceituados jornais de países do velho mundo, no Brasil, para atender orientações das editorias, alguns jornalistas fazem contorcionismos em seus textos tentando minimizar a repercussão política dos títulos recebidos pelo o nosso presidente lá fora. Como disse o autor: este tipo de postura é servir como porta-voz das forças mais reacionárias da sociedade brasileira.

A DIREITA E O SUPLICIO DE PAPAI NOEL
Gilsom Caroni Filho



O ano se encerrou com interessantes contrapontos. As várias distinções honoríficas, prestadas ao presidente brasileiro pela imprensa internacional, fizeram desmoronar, como castelos de areia, a enxurrada de ritos sumários com que, a cada edição diária, a mídia nativa tentou desconstruir as realizações do governo petista e o capital simbólico acumulado pelo campo democrático-popular. O título de “Homem do Ano em 2009", concedido a Lula pelo Le Monde, o mais conceituado jornal da terra de Lévi-Strauss, representou " o suplício de Papai Noel" (*) para um jornalismo que se esmerou, com textos de contornos cada vez mais nítidos, em servir como porta-voz das forças mais reacionárias da sociedade brasileira

Mas não nos iludamos. Entre a ingenuidade de alguns e a esperteza de outros, a orientação geral é descarregar cargas de fait divers sobre as premiações, ocultando seu real significado. Não se está enaltecendo a habilidade política de um homem, seu carisma ou simpatia. O que está sendo reconhecido é algo de magnitude bem mais ampla: a pedagogia de fatos que, por sua evidência, ensinou à Nação que só passando a limpo suas instituições econômicas, políticas e culturais não corremos o risco de perder a nossa hora e a nossa vez.

O que está sendo objeto de elogios é um governo que não está perdendo a oportunidade de fazer as mudanças sociais há muito reclamadas. Contrariando as transições por alto que tanto marcaram a nossa história, Lula personifica a ruptura com acumulação de farsas que chega, hoje, ao seu ponto de ruptura definitiva. O que conquistamos não foi o aplauso fácil de um país que se verga a antigas estruturas coloniais, mas o respeito de quem assume o papel de sujeito da própria história.

A opção pelo aprofundamento da democracia, pelo crescimento com distribuição de renda, pela economia baseada no consumo interno e na redução de renda per capita é o que marca a mudança de rumo desde as eleições de 2002. Some-se a isso a afirmação de uma política externa independente, com práticas assertivas na afirmação de alguns princípios de relações internacionais, apontando para a busca de uma ativa coordenação soberana com atores relevantes da cenário mundial, e veremos que as diferenças conceituais com o antigo bloco de poder neoliberal são expressivas demais para não contrariar interesses arraigados na subalternidade, na soberania rarefeita.

Encerrado um ano exitoso, o que cabe às lideranças partidárias e à militância? Não confundindo realidade com desejo, buscar uma política de alianças que assegure maioria para a vitória de Dilma Rousseff nas próximas eleições. Dessa vez, há partidos políticos e quadros suficientemente qualificados para manter um projeto que se distingue pela coerência e nitidez de sua vocação transformadora. Mas não será um embate fácil. A direita dispõe de considerável capilaridade e do apoio logístico da mídia corporativa.

Diante deste quadro, as esperanças não repousam apenas em arranjos regionais. Para além das máquinas partidárias- e de elaborações teórico-metodológicas que precisam ser desenvolvidas- a capacidade de mobilizar a juventude, fazer com que ela se alie ao mundo do trabalho e a todos os setores até então oprimidos é fundamental. Estão nas forças sadias, detentoras de mecanismos precisos de clivagem, as chances que temos de evitar a perda de uma oportunidade única que a história está oferecendo. É preciso dar continuidade ao “suplício do Papai Noel". Mantê-lo no lado direito do espectro político. Que o povo brasileiro tenha um Feliz 2010!

* “O Suplício do Papai Noel” é um brilhante ensaio antropológico de Claude Lévi-Strauss, publicado no Brasil pela Editora Cosac Naify

Gilson Caroni Filho é professor de Sociologia das Faculdades Integradas Hélio Alonso (Facha), no Rio de Janeiro, colunista da Carta Maior e colaborador do Jornal do Brasil

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Cresce otimismo do brasileiro com economia

Do jornal Folha de São Paulo

Pesquisa Datafolha mostra confiança maior tanto em relação à situação do país quanto à capacidade pessoal de consumo

Dos entrevistados, 57% afirmam acreditar que a sua condição econômica irá melhorar; no mês de março, percentual estava em 50%

Os brasileiros estão confiantes em que vão melhorar de vida em 2010, segundo pesquisa realizada pelo Datafolha. De acordo com o instituto de pesquisas, 57% dos brasileiros afirmam que, nos próximos meses, a própria condição econômica será mais positiva. Na pesquisa anterior, que foi feita em março, o percentual era de 50%.

Em relação ao futuro da situação econômica do país, 42% dos brasileiros afirmam que ela vai melhorar, ante 31% no levantamento anterior.

A percepção sobre o poder de compra dos salários também é favorável. Segundo o Datafolha, 34% dos entrevistados afirmaram que o rendimento dará mais capacidade de consumo aos trabalhadores. O percentual era de 25% em março.

O otimismo dos brasileiros se reflete também nas perspectivas para o emprego e para a inflação.

Mauro Paulino, diretor-geral do Datafolha, afirma que a percepção da população sobre a economia voltou aos patamares registrados antes da recessão que atingiu o mundo. "Passada a crise, os brasileiros voltam a confiar no país."

Um pouco de Celso Adolfo


Mineiro de São Domingos do Prata, Celso Adolfo lança o seu primeiro disco, Coração Brasileiro, em 1983, com a participação e direção de Milton Nascimento. Gravando Coração Brasileiro no seu disco Anima, Milton trouxe para o conhecimento do grande público o nome do compositor Celso Adolfo. Ainda em 1983 Elba Ramalho fez do mesmo Coração Brasileiro um disco e um espetáculo de enorme repercussão e, no ano seguinte, ela gravou Azedo e Mascavo, também de Celso Adolfo, num arranjo de César Camargo Mariano, produzido por Mazolla no Rio.

Fez os seus primeiros estudos de música com o Prof. Tacinho, na sua terra natal. Mudou-se para Belo Horizonte em 1969 para prosseguir nos estudos secundários. Fez o curso de Estradas na Escola Técnica Fed. de Minas Gerais, onde foi corista e presidente do Coral ETFMG sob a regência do maestro Roberto de Castro.

Nós Dois - Celso Adolfo

"Queremos Uruguai cheio de engenheiros, filósofos e artistas"



Da agência Carta Maior

O presidente eleito do Uruguai, José "Pepe" Mujica, reuniu-se com um grupo de intelectuais em dezembro de 2009 e fez alguns pedidos a eles: que contagiem todo o povo uruguaio com o olhar curioso sobre o mundo, que está no DNA do trabalho intelectual, e com o inconformismo.

Mujica propõe também uma revolução na educação. "Escolas de tempo completo, faculdades no interior, ensino superior massificado. E, provavelmente, inglês desde o pré-escolar no ensino público. Porque o inglês não é idioma falado pelos ianques; é o idioma com o qual os chineses conversam com o mundo. Não podemos ficar de fora". Leia mais.