sábado, 31 de março de 2007

Amorim compara controladores a 'caminhoneiros de Allende'

O jornalista Paulo Henrique Amorim fez uma análise dura sobre o clima de "caos" que se instalou nos aeroportos do país ontem (e que se reflete ainda hoje) com o movimento organizado pelos controladores do vôo. Amorim comparou a ação da categoria - justo no momento em que grupos pregam a queda do ministro da Defesa, Waldir Pires, e a oposição tenta emplacar uma CPI sobre o tema - à longa mobilização dos caminhonheiros chilenos, em 1973.

Historiadores apontam o "paro" dos motoristas do Chile como um dos ingredientes que fortaleceram os golpistas liderados pela oposição e, perto do golpe, pela figura do general Augusto Pinochet.

Reproduzo abaixo a opinião do jornalista publicada no site Conversa Afiada:

CONTROLADORES SÃO OS CAMINHONEIROS DE ALLENDE

Uma greve nacional da Associação dos Donos de Caminhões financiada pela CIA ajudou a derrubar o presidente Salvador Allende, do Chile, em 1973.

. O objetivo do “paro” dos caminhoneiros era exatamente o dos controladores: desorganizar a produção.

. Chave da operação dos caminhoneiros chilenos era derrubar os Ministros da Defesa, Carlos Prats e Orlando Leteleier, com o que se acabava por desmoralizar o Presidente da República.

. No Chile de Allende, havia um mínimo de pluralidade na imprensa – uma parte da imprensa apoiava o presidente eleito pelo povo.

. Aqui, os controladores de vôo já há algum tempo aplicam a chantagem de “parar” o país.

. Hoje, nesta sexta-feira, conseguiram.

. Aqui, os controladores de vôos contam com o apoio de 90% da imprensa escrita e uma parte da imprensa de televisão.

. E têm o mesmo objetivo dos colegas chilenos: derrubar o Presidente da República.

. A reivindicação dos controladores de vôos não é uma questão sindical ou militar - é política e tem como alvo a estabilidade das instituições democráticas.

. O objetivo, aqui, também, é desestabilizar o Ministro da Defesa, Waldir Pires, que já conta com uma resistência razoável das Forças Armadas, que não se esquecem que ele serviu ao Presidente João Goulart.

. A outra parte da operação consiste em provocar a queda do Presidente da República pela mão da imprensa e de uma CPI que, agora, contou com a ajuda providencial de um Ministro do Supremo Tribunal Federal.

. No Chile, como aqui, o “paro” dos controladores tem a função de jogar a classe média contra o Governo. Quem anda de avião é a classe média.

. O “paro” dos nossos caminhoneiros se deu imediatamente depois que o Presidente da República decolou para se encontrar, neste sábado, com o Presidente Bush.

. É obvio que a intenção é esvaziar e constranger o Presidente da República.

. Para isso, de novo, os caminhoneiros contarão com o apoio da imprensa, que saberá explorar o “apagão aéreo”, como forma de embaraçar o Presidente da República num momento em que trata de importantes negociações com o Presidente da nação mais poderosa do mundo.

. Em 1981, o presidente Ronald Reagan enfrentou uma greve de controladores de vôo com a demissão de 11 mil de 13 mil controladores grevistas.

. Aqui, o governo trabalhista já foi longe demais na tentativa de negociar com os controladores.

. Os controladores demonstraram que têm um poder de chantagem ilimitado.

. Só o uso da lei resolverá o problema.

. A hora de negociar passou.

. Os nossos caminhoneiros estão na ilegalidade e no golpe.

Kassab: marca da gestão é episódio Kaiser, diz JT

A pergunta que venho fazendo - qual é a 'marca' da gestão Kassab? - e sobre a qual postei diversas notas, está na edição de hoje (31) do Jornal da Tarde. O texto é assinado pelo jornalista Roberto Fonseca. Veja:

Um ano depois, a encruzilhada

Para tentar reeleição, prefeito terá dificuldades no caminho da reeleição

Roberto Fonseca

"No dia em que completa um ano à frente da Prefeitura, Gilberto Kassab (DEM, ex-PFL) está numa encruzilhada política. Ele terá um período equivalente ao de mandato - até o início de 2008 - para tentar imprimir marca à sua gestão e viabilizar candidatura à reeleição. 'Para concorrer, ele precisa chegar lá em abril de 2008 já fortalecido', prevê um vereador com trânsito no governo.

Até o momento, porém, levantamentos - como o feito pelo portal Estadão.com.br - apontam quadro problemático: alta rejeição e baixa aprovação. A principal marca da gestão é o episódio em que Kassab expulsou aos gritos de 'Vagabundo' o empresário Kaiser Paiva de uma unidade de saúde. O prefeito ainda ganhou 'sombra' do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), 'lançado' à Prefeitura pelo presidente da legenda, Tasso Jereissati (CE), e que mostra força eleitoral superior à do prefeito - e da provável adversária, a ex-prefeita Marta Suplicy, do PT".

Leia aqui a matéria completa.

sexta-feira, 30 de março de 2007

Um bom poema para sua noite

TRADUZIR-SE

Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.
Uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.
Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
delira.

Uma parte de mim
almoça e janta:
outra parte
se espanta.
Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.

Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
linguagem.

Traduzir uma parte
na outra parte
_ que é uma questão
de vida ou morte _
será arte?

FERREIRA GULLAR

População ocupa o Centro de SP em ato público


O ato público Vamos Tirar São Paulo do Buraco, promovido por um grupo de 23 entidades na tarde desta sexta-feira (30), levou milhares de pessoas à região central da cidade. O movimento começou às 15h em frente à sede da Prefeitura de São Paulo e se deslocou para a Praça Ramos de Azevedo - ampliado com a chegada de uma manifestação promovida pelos professores estaduais.

O povo foi às ruas mostrar seu descontentamento com os rumos da administração PSDB/PFL, que sucateou os serviços públicos, piorou a qualidade da saúde, da educação, dos transportes, da segurança pública e da moradia, e age de forma autoritária e truculenta diante das reivindições populares e dos movimentos sociais.

PRIMEIRO ANO E 100 DIAS - Hoje completou o primeiro ano que Gilberto Kassab assumiu no lugar de José Serra e se aproxima a contagem dos primeiros 100 dias do ex-prefeito no governo do Estado. O movimento acontece quando pesquisa realizada pelo instituto DataFolha aponta a "reprovação" dos governos Serra e Kassab pelos paulistanos. 76% consideram o governo Kassab ruim e 61% desaprovam a administração Serra.

O ato foi coordenado pelo Diretório Municipal do PT de São Paulo e por entidades que representam diversas categorias de trabalhadores na Capital e no Estado.

Balanço do primeiro ano de Kassab (2)

Hoje prossigo com a análise sobre o primeiro ano da gestão tutelada do prefeito Gilberto Kassab. O tema anunciado ontem é Educação.

Educação - Do mesmo modo que não tem marca nos demais setores, na Educação o governo Kassab patina, não oferece alternativas e não cria nada. Pelo contrário, as escolas e demais equipamentos educacionais passam por uma crise sem precedentes, que inclusive levou o secretário municipal da Educação a declarar recentemente a um jornal que se sentia "envergonhado" ao visitar uma escola caindo aos pedaços.

A expressão "caindo aos pedaços" retrata o estado de caos que vive a Educação municipal desde que Serra colocou os pés na Prefeitura e controla o município via prefeito Kassab. A atual administração reconhece que existem "27 escolas" em situação crítica (ressalto, grave!) na cidade, mas ontem a Folha de S. Paulo trouxe mais uma - a EMEI Maria da Luz, em São Miguel Paulista, zona leste. É só andar por aí que a lista não pára de crescer. A escola citada pela Folha tem rachaduras no piso e corre o risco de desabar, embora a Prefeitura tente negar a calamidade. Os jornais dos últimos dias também trazem informações sobre alunos estudando em sistema de rodízio ou em locais improvisados e demolição de escolas que não passam por manutenção, dentre outros problemas.

INICIATIVA SEM RESULTADOS - Para não dizer que nada foi "criado" nesta gestão em matéria de Educação, registre-se o programa São Paulo é uma Escola, que pretendia direcionar atividades para as crianças fora do horário escolar. Pretendia, pois a realidade é outra: as atividades foram implantadas sem condições, sem apoio às unidades escolares e sem recursos adicionais, gerando confusão, atropelo no dia-a-dia das escolas e protestos de professores, pais, mães e alunos. Ou seja, nada deu certo no programa e os resultados são pífios.

REVOLUÇÃO COM MARTA - Todo o esforço empreendido pelos tucanos e aliados para "apagar" as inúmeras marcas do governo do PT na gestão Marta Suplicy está sendo em vão. A população reconhece e sente saudades do período 2001-2004, quando surgiram os CEUs, foi criado o Vai e Volta, teve início a distribuição de uniformes e material escolar gratuitos (e de qualidade) para mais de um milhão de alunos e a merenda escolar tinha qualidade. Também foi nessa época que a Prefeitura criou o número recorde de 200 mil novas vagas em escolas municipais e expandiu os laboratórios de informática no município. O programa dos Telecentros - hoje praticamente paralisado e sem projeto de trabalho em quase toda a cidade - foi outro avanço criado por Marta que obteve reconhecimento internacional.

Voltando à inoperância do governo atual, vale lembrar que a promessa de continuar a construção dos CEUs (que eu louvo) não foi cumprida do modo que anunciaram: Serra e Kassab disseram que construiriam 17 CEUs e até agora não passam de 5 as unidades erguidas, a um custo semelhante ao dos construídos por Marta, mas com qualidade de construção e equipamentos que eu chamo de "rebaixada".

Sem novidade na pedagogia, na construção de equpamentos ou na condução do dia-a-dia, restou ao governo atual administrar crises (sem solucioná-las) e atuar politicamente para piorar o que funcionava bem no governo anterior. Isso é ruim para a cidade e para o povo de São Paulo.

Ato Público e Manifesto à população de São Paulo

Logo mais, às 15h, o Diretório Municipal do PT de São Paulo e mais 22 entidades do movimento social promovem um ato público com o mote Vamos Tirar São Paulo do Buraco - numa referência ao primeiro ano de Gilberto Kassab (DEM) na Prefeitura paulistana e aos 100 dias do governo José Serra (PSDB). O protesto terá início em frente à sede do Executivo, no Viaduto do Chá, região central da cidade, e se somará no final da tarde a uma mobilização dos professores estaduais convocada pela Apeoesp.

A coordenação do ato elaborou um Manifesto que será distribuído à população na tarde de hoje. O texto analisa e protesta contra os principais erros cometidos pela desastrosa associação política entre tucanos e ex-pefelistas no comando do Estado e da Prefeitura nos últimos tempos que, literalmente, jogaram São Paulo "no buraco".

Adianto aos leitores do blog e à imprensa o conteúdo integral do Manifesto Povo de São Paulo REPROVA os governos Serra e Kassab - que será distribuído no centro da cidade durante a mobilização Vamos Tirar São Paulo do Buraco. Clique aqui e leia (é possível baixar e imprimir o texto) o Manifesto.

Duas dicas de vídeo para a semana

Por Celina Sales

1 - O CORONEL E O LOBISOMEM (O Coronel e o Lobisomem, Brasil, 2005)

Sinopse - Baseado em romance de José Cândido de Carvalho. Ponciano de Azeredo Furtado (Diogo Vilela), coronel de patente e fazendeiro, luta contra Pernambuco Nogueira (Selton Mello), seu irmão de criação, para manter as terras da Fazenda Sobradinho e conquistar o coração da amada prima Esmeraldina (Ana Paula Arósio). Para vencer esta batalha, Ponciano enfrenta feras enormes, experimenta a vida boêmia na cidade, combate agiotas e usa toda a sua artimanha para desencantar assombrações. (Cineclick)

Elenco - Diogo Vilela, Selton Mello, Ana Paula Arósio, Pedro Paulo Rangel, Tonico Pereira, Andréa Beltrão, Othon Bastos, Marco Ricca, Lúcio Mauro Filho, Francisco Milani.

Meu comentário - é uma fábula genial, deliciosa... Diogo Vilela e Selton Mello dispensam apresentações. Não deixe de ver...

2 - CARROS (Cars, EUA, 2006)

Sinopse - Relâmpago McQueen é um carro de corrida estreante e ambicioso. A caminho de Los Angeles para a corrida que pode lhe dar a tão sonhada Taça Pistão, ele se perde e vai parar na pacata cidade de Radiator Springs, à beira da famosa Rota 66. McQueen faz amizade com os residentes - a bela Porsche Sally, Doc Hudson e o velho e simpático reboque Mate -, que o ajudam a ver que há coisas mais importantes que troféus, fama e patrocínios. Atores do calibre de Bonnie Hunt, Paul Newman e Owen Wilson dublam a versão original; a brasileira tem vozes de Priscila Fantin e Daniel Filho. (Cineclick)

Elenco - Vozes na versão original de: Bonnie Hunt, Paul Newman, Richard Petty, John Ratzenberger, Owen Wilson. Vozes na versão brasileira de: priscila Fantin, Daniel Filho.

Meu comentário - Sou fã dos desenhos da Disney e se você quiser assistir a um filme apenas para se divertir essa é uma boa pedida.

Bom fim de semana!!

Enquanto isso no ninho tucano...

Do Jornal da Tarde, hoje:

Serra defende aliança com Kassab

Apesar de Tasso ter lançado Alckmin à Prefeitura, evento em Brasília não virou ato de apoio a ex-governador

Christiane Samarco

"No jantar que o PSDB organizou anteontem à noite para homenagear o ex-governador Geraldo Alckmin - ‘lançado’ candidato à Prefeitura pelo presidente nacional do partido, Tasso Jereissati (CE) -, o governador José Serra defendeu a aliança com o PFL do atual prefeito Gilberto Kassab em 2008".

Leia mais aqui.

quinta-feira, 29 de março de 2007

Povo de SP reprova os governos Serra e Kassab


Continua repercutindo a pesquisa DataFolha publicada no dia 26 passado que aponta a "reprovação" popular aos governos do tucano José Serra e do pefelista Gilberto Kassab, respetivamente no governo do estado e na prefeitura. Se bem que em matéria de Serra e Kassab a separação é quase imperceptível...Os números do DataFolha mostram que 76% dos paulistanos reprovam Kassab e 61%, Serra.

Reproduzo abaixo uma nota publicada hoje no Boletim da Bancada do PT na Câmara Municipal sobre o ato que um grande número de entidades promove nesta sexta-feira para marcar o primeiro ano de São Paulo nas mãos da dupla Serra/Kassab e os 100 dias do tucano no estado:

Protesto contra gestão PFL/PSDB reúne milhares de pessoas

Amanhã, completa um ano que o tucano José Serra descumpriu a promessa da campanha eleitoral de 2004 e abandonou a prefeitura para disputar o governo do Estado, deixando Gilberto Kassab no cargo de prefeito. Enquanto o prefeito viaja para a Europa, milhares de paulistanos vão participar do ato público em protesto contra a gestão PFL/PSDB na Prefeitura de São Paulo.

O ato “Vamos Tirar São Paulo do Buraco” será promovido pelo Diretório Municipal (DM/SP) do Partido dos Trabalhadores e entidades do movimento social. Os manifestantes partirão de diversos pontos da periferia rumo ao centro da cidade.

A manifestação acontece a partir de 15 horas em frente à sede do Executivo, no Viaduto do Chá. Às 17 horas, os manifestantes vão se unir ao protesto que será feito pelos professores da rede estadual de ensino e servidores da saúde, na Praça Ramos, juntamente com a CUT e o PC do B.

Lepique = piquenique com dinheiro público

O jornal Diário de São Paulo publica em sua edição de hoje (27) matéria dando continuidade à divulgação do que eu chamei aqui de "Escândalo dos Marajás" na prefeitura de São Paulo.

Desta vez a matéria se refere ao subprefeito de Vila Mariana, Fábio Lepique. Ele mesmo, sem nunca ter trabalhado na Imprensa Oficial do Estado, recebeu duas promoções dentro da empresa. Sem nunca aparecer para trabalhar, dia 7 de fevereiro de 2003 foi nomeado para um cargo ganhando R$ 3.320,00 - isso para não aparecer. Em 3 junho do mesmo ano, Lepique foi promovido a assistente técnico 3 na estatal com salário de R$ 4.043,48. Em 1º de abril (dia da mentira) do ano de 2005 ele passou a ser assessor técnico, cargo com remuneração atual de R$ 9.621,00.

Qual foi o critério de promoção do referido funcionário? Chego à seguinte conclusão: apadrinhamento, coisa de tucano!

Mais uma escola abandonada

Do caderno Cotidiano, do jornal Folha de São Paulo desta quinta (29):

”Pais, alunos e professores da escola municipal Maria da Luz Oliveira, em São Miguel Paulista (zona leste de SP), estão assustados. O colégio, que atende a crianças de três a cinco anos, tem rachaduras em que chega a entrar uma caneta. Por precaução, algumas mães já retiraram seus filhos da unidade. E alguns professores, para evitar acidentes ou o agravamento da situação, já pedem para que os alunos não pulem.

A apreensão entre a comunidade escolar aumentou depois que a gestão do prefeito Gilberto Kassab (PFL) divulgou há dez dias uma lista com 27 unidades que serão reformadas emergencialmente na cidade. A Emei (escola municipal de ensino infantil) Maria da Luz Oliveira não consta na relação.

A Folha esteve anteontem na escola. Diversas paredes possuem rachaduras. A mais espessa, na qual entra uma caneta, está no segundo andar, ao lado do elevador. Uma outra afeta a base de uma coluna localizada no saguão onde as crianças comem a merenda.”

Meu comentário: tenho divulgado aqui no blog o descaso deste governo com a Educação de nossa cidade. O orçamento anual da Educação é mais de R$ 6 bilhões. Mesmo assim, não conseguem fazer a manutenção mínima nas unidades escolares. Publiquei ontem aqui no blog o nome de três escolas que serão demolidas. Veja um trecho do meu comentário de ontem, com base em matéria do Jornal da Tarde. É um verdadeiro escândalo!

"As Escolas Municipais de Educação Infantil (Emeis) Elias Schamass, no bairro de Guaianases, Júlio de Gramont no bairro de São Mateus, e Euclides da Cunha, no Jardim Comercial (Zona Sul), serão demolidas. Adivinhe qual é o motivo? Se você pensou em falta de manutenção, acertou! É isso mesmo! A Prefeitura não fez a devida manutenção e vai ter que demoli-las".

Não é um absurdo esse descaso?

Balanço do primeiro ano de Kassab (1)

Amanhã faz um ano que o prefeito “biônico”, sem voto popular, imposto por Serra ao povo paulistano, assumiu a prefeitura. Caro leitor: você conseguiria apontar uma obra de grande importância para a cidade que foi planejada e executada por esse governo?

Tudo que eles fizeram nesses dois anos e três meses de governo foi dar continuidade àquilo que já estava em curso. Nos próximos dias quero, sinceramente, pedir aos leitores do blog ajuda no balanço deste governo. Vamos lá? Vou falar hoje do Transporte Coletivo.

-Transporte: O Bilhete Único - que foi uma verdadeira revolução no transporte coletivo de nossa cidade - foi um projeto implantado no governo Marta. O que eles fizeram foi piorar os serviços prestados. Hoje o paulistano anda menos, pagando o mesmo valor da época do governo anterior.

A quantidade de ônibus nas ruas diminuiu e a qualidade daqueles que circulam piorou e, conseqüentemente, aumentaram os intervalos entre uma viagem e outra. Hoje os paulistanos levam mais tempo do que antes para chegar ao seu destino.

O projeto de construção de corredores exclusivos (Passa-Rápido)para ônibus, que têm a finalidade de aumentar a velocidade dos veículos coletivos em benefício dos usuários do sistema, foi abandonado. Nesses dois anos e três meses de governo Serra/Kassab não foi construído um quilômetro sequer a mais. Eles não conseguem fazer a manutenção nos corredores existente. Suas pistas estão onduladas e/ou cheias de buraco, provocando a quebra de veículos, contribuindo para aumentar, ainda mais, o tempo de viagem dos usuários do sistema.

O governo anterior herdou um sistema completamente desregulamentado. O transporte clandestino havia tomado conta das ruas de São Paulo, prestando um serviço de péssima qualidade para a população. A prefeita Marta modificou a lei, regulamentou as cooperativas, substituiu as velhas Kombis por vans ou micro-ônibus - que passaram a oferecer, no chamado Sistema Interligado, um serviço de melhor qualidade para a população. No governo atual, nada de novo foi feito para essa área, a não ser criar dificuldades para as cooperativas funcionarem, impedindo que elas evoluíssem na prestação de um serviço mais qualificado.

Eles tentam vender o chamado Expresso Tiradentes como se fosse projeto deles. É bom que se diga que já no governo do PT esse projeto foi revisto e projetada a sua extensão até o bairro de Cidade Tiradentes. A partir de então, passou a se chamar Paulistão. Esse estudo foi aproveitado pelo o governo atual - a única coisa que acrescentaram no projeto foi a mudança de nome.

Este governo não apresentou nada de novo para a área de transporte em nossa cidade, a não ser aumentar assustadoramente o valor da passagem de ônibus. Essa é a minha opinião.

Caso o leitor consiga lembrar de algo nesta área, projetado e construído pelo atual governo, escreva para o blog. Sendo verdade, farei autocrítica e terei o maior prazer em divulgar as opiniões contrárias.

Amanhã vou falar da área de Educação. Até lá!

quarta-feira, 28 de março de 2007

Metrô: o que o povo quer saber sobre o buraco


Quem acessar o site Conversa Afiada, do jornalista Paulo Henrique Amorim (clique aqui), verá um conteúdo "inusitado" para certo padrão do jornalismo brasileiro: um 'carrossel' de perguntas incômodas dirigidas àquele que o próprio jornalista considera "avesso ao incômodo" da mídia - o governador tucano José Serra. E com um detalhe: as perguntas (são 30 questões) foram entregues, com direito a protocolo, na sede do governo paulista, o Palácio dos Bandeirantes.

Resolvi reproduzir 10 delas para encurtar o caminho dos leitores interesssados, pois não é todo dia que se encontra uma ousadia dessas. Sem esquecer que entrarão para o rol das "coisas que o povo sempre quis saber sobre o buraco do Metrô". Veja abaixo:

1) O Governo do Estado pretende processar o consórcio por provocar um acidente numa obra pública que resultou na morte de sete pessoas?

2) Por que o Governo do Estado não trocou de empreiteiros depois do acidente?

3) Por que até agora o contrato não foi suspenso e as obras interrompidas?

4) Por que o Metrô resiste em aceitar a proposta dos metroviários de paralisar as obras até que seja feita uma fiscalização em toda a Linha 4 para se certificar de que ela é segura?

5) O Metrô fiscalizava as obras? Como? Qual o nome do fiscal?

6) Havia um plano de evacuação da obra em caso de acidente? Onde está esse plano, se existe?

7) O Governo do Estado vai repetir esse tipo de contrato ("turn key") (“porteira fechada”) em outras obras?

8) O Governo do Estado se sente responsável pelas vítimas do acidente?

9) Por que o governador do estado não recebeu a comissão de moradores do entorno da cratera do Metrô, que tentou falar com o governador na segunda-feira, dia 26 de março?

10) Antes de a obra começar, havia um estudo geológico da área que se tornou a cratera? O que diz esse estudo? Como ter acesso a ele?

Clique aqui para ler todas as perguntas do chato Paulo Henrique Amorim (o grifo eu debito na conta de um tucano).

Um olho no cravo...

Complementando o raciocínio da nota anterior com uma nota do Painel da Folha de hoje:

"Oligarcas. O nome é Democratas, mas a composição da nova Executiva do antigo PFL indica que as dinastias continuarão a dominar o partido. Além do presidente, Rodrigo Maia, estão na cúpula outros descendentes de caciques, como os baianos ACM Neto e Fábio Souto, Efraim Filho (PB) e Felipe Maia (RN)".

Comentando: não esquecer que os pais, avós, tios, primos, cunhados e aderentes dessas e de outras oligarquias afins estão todos ali observando, olhando a "meninada" brincar de fazer política...

Coisas do DEM e a ditadura

Boa a especulação que o jornalista Fernando Rodrigues faz hoje (28) na Folha de S. Paulo sobre a mudança de nome e o futuro do PFL, cuja carcaça será rebatizada nesta quarta-feira de "Democratas" (a sigla será a esdrúxula DEM, além do estranho nome substantivado). O título do artigo de Rodrigues ("Democratas") é idêntico ao publicado ontem no jornal pelo futuro presidente da legenda, o deputado Rodrigo Maia, rebento do prefeito César Maia (Rio).

A melhor parte escrita pelo articulista da Folha, falando do futuro e do nome DEM, foi a seguinte:

"Olhando de perto e levando em conta o passado pefelista, o viés está mais para o fracasso. O partido não tem vínculos orgânicos com a sociedade. Até aí, nada de novo. O mal maior ocorrerá se os pefelistas desmoralizarem também a palavra "democratas".

Assinante da Folha/UOL clica aqui para ler o artigo completo.

"Democratas" os que sustentaram a ditadura? huuummm!

Crédito para idoso viajar

Do Jornal da Tarde:

"Até o fim do ano os aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) poderão tomar empréstimos com desconto direto do benefício (consignado) para contratar pacotes de viagem. A idéia é da nova ministra do Turismo, Marta Suplicy, que, desta forma, pretende estimular os idosos a viajar dentro do Brasil com a possibilidade de pagar o empréstimo em até 24 meses e com taxas de juros mais baixas.

Segundo o ministério, haverá uma reunião hoje entre representantes da Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, da Caixa Econômica Federal e do Ministério da Previdência Social para discutir formas de tornar a proposta viável. Leia mais

Meu comentário: a ministra Marta tem dinamismo, criatividade, ousadia e competência de sobra.

Não a qualquer tipo de discriminação!

É inconcebível qualquer tipo de discriminação em relação a cor, religião, opção sexual, nacionalidade, classe social, gênero - enfim, não podemos tolerar qualquer preconceito.

Foi no mínimo infeliz a declaração da ministra Matilde Ribeiro que está em todos os jornais hoje. A frase atribuída a ela é a seguinte: "Não é racismo quando um negro se insurge contra um branco. A reação de um negro de não querer conviver com um branco ou não gostar de um branco, eu acho natural",

Se for verdade o que os jornais publicaram, a ministra falou demais, e o pior: falou o que não devia.

Desperdício do dinheiro público

As Escolas Municipais de Educação Infantil (Emeis) Elias Schamass, no bairro de Guaianases, Júlio de Gramont no bairro de São Mateus, e Euclides da Cunha, no Jardim Comercial
(Zona Sul), serão demolidas. Adivinhe qual é o motivo? Se você pensou em falta de manutenção, acertou! É isso mesmo! A Prefeitura não fez a devida manutenção e vai ter que demoli-las.

O custo para construir uma nova unidade será de cerca de R$ 3 milhões. Seis mil alunos terão de estudar em locais improvisados.

Você sabia que o Orçamento da Educação da cidade de São Paulo para 2007 é de R$ 6 bilhões?

Esse desperdício de dinheiro público só tem duas explicações: má fé ou muita incompetência.

O PSDB e as eleições de 2008

O candidato derrotado à Presidência da República, Geraldo Alckmin - de passagem pelo Brasil - "cutucou" seus adversários dentro do PSDB ao se referir às eleições para a Prefeitura de São Paulo em 2008. Disparou a seguinte frase: "O PSDB certamente vai ter candidato próprio e nós vamos escolher juntos o candidato”.

Não podia ser diferente: tucano se acha o centro do universo e não vai apoiar um aliado qualquer.

Com a palavra o prefeito Gilberto Kassab.

terça-feira, 27 de março de 2007

Os marajás da Prefeitura

O jornal Diário de S. Paulo trouxe nesta terça-feira (27) uma das notícias mais comentadas na cidade e, claro, na Câmara Municipal: a lista dos supersalários de funcionários da Prefeitura - os marajás da administração PSDB/PFL.

Os principais nomes da lista publicada pelo Diário são os seguintes:

JOSÉ ROBERTO GENEROSO - Chefe de gabinete da Secretaria de Transportes - Salário de R$ 22.206,69;

EDUARDO VAGNER DE SOUZA - Secretário-Adjunto da Secretaria de Transportes - Salário: R$ 22.089,76;

HEITOR SERTÃO - Subprefeito de Campo Limpo - Salário de R$ 19.936,90;

EVALDO LUIZ DAVID - Supervisor geral da Secretaria de Governo - Salário de R$ 18.793,41;

CARLOS HENRIQUE TIVELLI GARBUIO - Superintendente da Secretaria de Infra-Estrutura Urbana - Salário de R$ 17.708,67;

AMAURI LUIZ PASTORELLO - Subprefeito de Pirituba - Salário de R$ 17.331,35;

JOSÉ AURÉLIO BRENTARI - Assessor técnico da Secretaria de Infra-Estrutura Urbana - Salário de R$ 17.006,69;

ELISABETE CRISTINA DE CARVALHO - Assessora técnica da Secretaria de Infra-Estrutura Urbana - Salário de R$ 17.006,69;

RENATO ROBERTO MASINI - Assessor técnico da Secretaria de Infra-Estrutura Urbana - Salário de R$ 16.511,98;

RUI ROBERTO LEMOS DE ALMEIDA - Assessor técnico da Secretaria de Infra-Estrutura Urbana - Salário de R$ 14.891,76;

SILVIO JOSÉ VENDRAMIN CAMARGO - Chefe de gabinete da Secretaria de Participação e Parceria - Salário de R$ 14.787,28;

MÁRCIA REGINA UNGARETTE - Secretária-Adjunta de Gestão - Salário de R$ 14.351,60;

JOSÉ AUGUSTO DARCIE - Chefe de gabinete da Subprefeitura de Pirituba - Salário de R$ 14.235,76;

FÁBIO AUGUSTO MARTINS LEPIQUE - Subprefeito de Vila Mariana - Salário de R$ 13.943,89;

EDUARDO CAMARGO AFONSO - Subprefeito de Ermelino Matarazzo - Salário de R$ 13.603,98;

MOACIR ROSADO - Diretor técnico da Secretaria de Coordenação de Subprefeituras - Salário de R$ 12.55,11;

ROLANDO JOSÉ SANTORO NETO - Assistente técnico II da Secretaria de Infra-Estrutura Urbana - Salário de R$ 12.168,97;

FERNANDO ANTÔNIO FRANCO MONTORO - Assessor especial da Secretaria de Subprefeituras - Salário de R$ 11.754,20;

REGINA MARCELA BACCARAT TEIXEIRA PALERMO - Assistente técnico II da Secretaria de Infra-Estrutura Urbana - Salário de R$ 11.530,28;

VALDIR FERREIRA - Subprefeito de Capelo do Socorro - Salário de R$ 11.219,64.

Até entre os "marajás" existem salários "mais baixos" - que variam de R$ 7.956,15 a R$ 4.687,89. Entre os "mini-marajás" estão funcionários das subprefeituras de Pirituba e Ermelino Matarazzo e da Secretaria de Infra-Estrutura Urbana.

A capa do Diário de S. Paulo trouxe a manchete que revela o "zelo" tucano-pefelista com o dinheiro público, como eles gostam de alardear: Prefeitura gasta R$ 8,8 milhões com supersalários de funcionários - esse gasto é anual.

Isso é que é gostar de torrar o dinheiro público. E talvez seja um dos maiores "programas de transferência de renda" - da sociedade para o bolso dos que apóiam a dupla Serra/Kassab na administração pública.

Morador apóia projeto do Parque Central do Itaim

Recebi do leitor Ricardo Bonadies Júnior, do Itaim Paulista, um e-mail em apoio ao Projeto de Lei 593/06, de minha autoria, que visa criar o Parque Central do Itaim Paulista, na zona leste da Capital.

O futuro parque deverá ser construído numa das chácaras remanescentes do período em que aquele distrito tinha um certo ar "bucólico". As antigas "chácaras do Itaim" serviram, durante décadas, como local de veraneio para famílias que moravam em regiões mais abastadas da cidade.

A propriedade, que abriga uma grande diversidade de vegetação nativa e de aves, tem 22,7 mil metros quadrados e é conhecida como "Chácara do Seu Antônio".

Reproduzo abaixo o teor da correspondência, conforme autorizado por Ricardo Bonadies:

"É com muito prazer que venho através deste lhe parabenizar por sua idéia, e principalmente pela iniciativa para concretizar este magnífico projeto. Moro exatamente em frente ao portão de entrada da referida chácara, e constantemente somos incomodados por festas que acontecem neste local, onde algumas vezes jovens consomem drogas livremente nas festas e até na frente de minha própria residência, onde muitas vezes tenho que pedir 'licença' para poder guardar meu carro na garagem e orar a Deus para que as festas terminem um pouco mais cedo para podermos descansar com tranqüilidade. Fica aqui registrado meu total apoio ao seu projeto, que muitos benefícios nos trará, já que temos poucas opções de lazer e pouquissimas áreas verdes
em nossa região
".

Ricardo Bonadies Júnior - Itaim Paulista - SP
bona.jr@globo.com

PS - Além do leitor acima, milhares de moradores do Itaim Paulista já aderiram à proposta: o Fórum Ambiental do Itaim Paulista e diversos representantes da comunidade local já colheram pelo menos 4 mil assinaturas em abaixo-assinado pró-Parque Central que circula na região.

Preços de 300 remédios cairão 11%

Uma boa notícia apresentada hoje (27) no caderno Economia do jornal Diário de S. Paulo: o governo federal isentou da cobrança de PIS e Cofins 72 substâncias que compõem a fórmula de remédios para tratamento de osteoporose, câncer, anemia, hepatite B e vacinas contra o vírus HPV.

Com a medida, 300 remédios terão seus preços reduzidos em 11%. A isenção foi autorizada por um decreto assinado pelo presidente Lula.

É assim, também, que se transfere renda para a sociedade.

Se colar, colou

Por trás das entrevistas que concedeu a dois grandes jornais, ontem, o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) deixou transparecer a famosa estratégia "se colar, colou". Tanto que nesta terça-feira lê-se nos jornais que já tem gente "lançando" o nome dele à sucessão do prefeito Gilberto Kassab, em 2008.

Tasso lança Alckmin em SP, diz hoje o Jornal da Tarde. Veja o trecho da matéria do JT em que o PFL reage à idéia dos dois tucanos:

Confiança na candidatura

"Bornhausen se recusou a comentar a possibilidade de o PSDB lançar Alckmin à Prefeitura. 'Não vamos discutir assuntos de outros partidos'. Ele disse, porém, que o PFL 'confia na candidatura e na vitória' de Kassab. Temos candidato natural e confiamos em sua gestão'”.

Lembrete: no caso do Alckmin também falta combinar com o Serra, com o eleitorado, com o restante do partido...

Ora o Estado, ora a Prefeitura

O uso político-partidário do Estado e da Prefeitura de São Paulo pelo governador José Serra não conhece limites... geográficos. No momento em que se sentiu governando São Paulo, Serra já nomeou dois políticos do Rio Grande do Norte oriundos do antigo PFL para cargos em secretarias estaduais. Foram eles os ex-deputados João Faustino e Ney Lopes.

No exercício indireto do cargo de prefeito, Serra trouxe o ex-senador pernambucano Roberto Freire, presidente nacional do PPS, para um cargo de "conselheiro" numa autarquia municipal. O salário mensal passa dos R$ 4 mil, segundo revelaram os jornais. E assim vão sendo feitas as costuras políticas, embora nem tudo sejam flores: Freire cogita mudar o domicílio eleitoral para São Paulo e concorrer - veja você - ao cargo de prefeito de São Paulo pelo PPS... Dá para entender o Serra?

Tudo em casa...

Amanhã (28), o PFL tenta vestir um terno emprestado da gramática e passará a se autoproclamar "Democratas" (DEM). Pela composição da nova presidência do velho PFL, com a mudança do nome, vê-se que a roupagem não passa de mera adjetivação forçada: assume o comando do DEM o deputado federal Rodrigo Maia (RJ).

Tudo em casa: Rodrigo é filho do "ex-prefeito do Rio no exercício do cargo", César Maia - assim é chamado o governante carioca pelo jornalista Antonio Mello. O sobrenome Maia deita raízes nacionais nos estados da Paraíba e Rio Grande do Norte, de onde vieram os familiares do futuro presidente do ex-PFL, do pai deste e de um grande número de primos, tios e outros parentes, quase todos eles na carreira política.

Rodrigo tem um primo também deputado federal, Felipe Maia, que é filho do senador potiguar José Agripino Maia, líder do PFL no Senado. O avô de Felipe é o ex-governador Tarcisio Maia, (que também teve outro parente, Lavoisier Maia, governador do Estado do Rio Grande do Norte). No referido Estado, os Maia na política são em grande número: João Maia, Márcia Maia, José Agripino Maia, Lavoisier Maia, Felipe Maia, além da corrente familiar dos parentes destes na vizinha Paraíba (o prefeito César Maia é paraibano).

Se levantarmos 10% da árvore geneológica e política do PFL (futuro DEM) chegamos à conclusão: está tudo em casa. Na casa dos diferentes níveis dos coronéis nacionais...

Qual é a marca?

O eleitorado paulistano escolheu nas últimas eleições municipais (2004) o atual governador José Serra para ser seu prefeito. Os paulistanos se convenceram, mesmo fazendo um balanço altamente positivo do governo da Marta Suplicy, que o Serra iria fazer mais e melhor. Afinal, esse era o discurso dos tucanos.

Passados mais de dois anos, a população está vendo que eles não fizeram nada a mais e ainda pioraram o que já estavam funcionado - como é caso dos Programas Sociais, o Vai e Volta, o Bilhete Único, os Telecentros... Tudo o que eles estão inaugurando ou foi iniciado no governo Marta ou é obra que já estava licitada.

Basta conferir: Hospital Cidade Tiradentes - a ex-prefeita Marta deixou 60% da obra edificada; os CEUs que estão sendo construídos todos eles estavam licitados pelo ex-prefeita Marta: o Hospital M' Boi Mirim - o trabalho de terraplenagem já estava feito, eles apenas deram continuidade; até mesmo o Expresso Tiradentes (ex-"Fura-Fila") não foi obra iniciada por eles e sim pelo governo Celso Pitta. Ou seja, é um governo sem identidade. Além do que, o povo não votou no atual prefeito Kassab. Pelo contrário, sente-se ludibriado com atitude de José Serra de deixar a prefeitura para se candidatar ao governo do estado.

Tudo isso nos leva a compreendermos a baixa aprovação da atual administração pelo povo paulistano. No fundo, o povo não vê legitimidade no atual prefeito. Para a população o atual prefeito não passa de um “Secretário Estadual para Assuntos de Interesse do Serra na capital”, como bem captou o meu amigo deputado Rui Falcão.

Recomendo a leitura do artigo do Jânio de Freitas, “A escolha poderosa”, na Folha de hoje (para assinantes).

segunda-feira, 26 de março de 2007

A primeira audiência pública sobre o Clube Escola

A primeira audiência pública convocada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para debater os projetos de lei do Executivo que tratam do programa Clube Escola foi marcada pela falta de respostas satisfatórias para pontos importantes contidos nos PLs 125/07 e 142/07.

O evento reuniu diretores de Clubes Desportivos Municipais (CDMs), representantes de clubes desportivos e vários vereadores no Plenário 1º de Maio na manhã desta segunda-feira (26) na Câmara Municipal de São Paulo. Também compareceram à audiência os secretários Walter Feldman (Esportes) e Januário Montone (Gestão Pública).

Na minha avaliação, algumas perguntas feitas aos representantes do governo não foram respondidas a contento, dentre as quais destaco:

- Qual será o peso do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente na aprovação dos projetos que serão beneficiados com os recursos repassados ao FUMCAD?

- Caso o projeto venha a ser aprovado pela Câmara, as Organizaões Sociais (OS) passarão a gerir os CDMs. Como ficam as diretorias dos atuais CDMs?

- Quais os critérios de seleção das OS que serão habilitadas a gerenciar os atuais CDMs?

- Os clubes desportivos e parceiros (doadores dos recursos que abaterão as dívidas de IPTU, conforme estabele o projeto de lei 125/07) poderão influenciar nos projetos a serem escolhidos?

- O Programa Clube Escola vai ser sustentado somente com recursos captados dos incentivos fiscais citados no projeto de lei em análise ou também receberá aportes do Orçamento da Educação?

Estas e outras questões poderão ser melhor detalhadas na próxima audiência pública convocada pela CCJ para a próxima segunda-feira (2 de abril), às 10h, no Plenário 1º de Maio, na Câmara Municipal.

Incoerência!

O PSDB travou uma batalha nos quatro anos de governo da prefeita Marta Suplicy contra a criação de cargos de livre provimento. Diziam eles que existiam no funcionalismo municipal funcionários de carreira competentes para qualquer função, sendo desnecessária a criação de "Cargos em Comissão". Na eleição de 2004 fizeram esse mesmo discurso. Disseram mais: caso viessem a vencer as eleições iriam reduzir em mais de 50% este tipo de contratação.

A VERDADE: assumiram a prefeitura, não reduziram o número de cargos em comissão, criaram a Secretaria de Participação e Parceria e vão criar mais duas para alocar seus apadrinhados. Além disso, os projetos de lei 125/07, 142/07 e 319/05 - que versam, respectivamente, sobre incentivos fiscais para agremiações desportivas, terceirização dos CDMS e Clubes da Cidade através de contratação de Organizações Sociais e a criação da Corregedoria Municipal -, que tramitam aqui na Casa, estão propondo explicitamente a criação de cargos de livre provimeto.

O PSDB tem demonstrado que tem dois programas: um para ganhar as eleições, onde eles mentem descaradamente, e outro para governar. Nesse caso, não vale o que disseram antes. A incoerência campeia solta na prática tucana.

Será que, de repente, o funcionalismo deixou de ser competente ou estão precisando de mais alguns "carguinhos" para fazer barganha política?

Pode estar certo: se fosse uma proposta do PT ja teria ganhado algumas manchetes nas primeiras páginas dos jornais.

PT faz protesto para tirar São Paulo do buraco

Do Boletim da Bancada do PT, hoje:

"O Diretório Municipal do PT de São Paulo promove na sexta-feira (30) o ato público “Vamos Tirar São Paulo do Buraco”. Militantes, parlamentares e a população em geral vão protestar contra o “desgoverno” do PSDB/PFL na prefeitura, que está jogando São Paulo “no buraco”.

O ato público será realizado em frente à sede da prefeitura, no Viaduto do Chá, a partir de 15 horas de sexta.

Em pouco mais de dois anos a atual administração diminuiu os investimentos em habitação na cidade, terceirizou os serviços de saúde e não resolveu o problema da falta de remédios e de médicos nos postos, além de aumentar a passagem de ônibus muito acima da inflação.

O governo tucano-pefelista mantém mais de R$ 4 bilhões de saldo em conta corrente nos bancos, suficientes para, por exemplo, erguer mais 215 CEUs. Enquanto o dinheiro fica guardado nos bancos rendendo juros, faltam vagas nas creches, alunos da rede de ensino estudam em escolas com condições precárias de estrutura.

A data da manifestação não foi escolhida ao acaso. Este dia marca o momento em que o tucano José Serra descumpriu a promessa de campanha e abandonou a prefeitura para disputar o governo do Estado. Em seu lugar, o pefelista Gilberto Kassab assumiu o cargo de prefeito".

Acesse aqui o site da Liderança do PT na Câmara Municipal de SP.

Parece que foi combinado...

Ao voltar ao Brasil depois de uma pausa no aprendizado de inglês que faz nos Estados Unidos, o ex-governador e candidato tucano derrotado nas eleições presidenciais de 2006, Geraldo Alckmin, deu duas longas entrevistas aos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo nesta segunda-feira (26).

O conteúdo "oco", no geral, deu a entender que se tratou de algo combinado, já que o carrossel de problemas, de acusações e de investigações que cercam o ex-governador foi deixado ao largo em todas as perguntas. Foi tudo ao gosto do freguês, como os tucanos adoram quando são entrevistados.

Ele falou à vontade sobre o "papel da oposição ao governo Lula", chamou o governo do PT de "autoritário", fantasiou sobre ter resolvido os graves - e a cada dia mais graves - problemas da Segurança Pública em São Paulo e insinuou uma candidatura à Prefeitura de São Paulo em 2008 (na Folha); no Estadão, Alckmin falou praticamente sobre os mesmos temas, ficando mais à vontade até para fazer uma piada ao dizer que "O PSDB precisa voltar a seu manifesto, a amassar barro, estar perto dos movimentos populares". Realmente isso ficou muito engraçado, para dizer o mínimo. De onde ele tirou essa história que tucano "amassa barro?". Nem nas regiões centrais das cidades onde são governo.

O QUE FALTOU - Na verdade, as entrevistas de Alckmin à Folha e ao Estadão ficaram com diversas lacunas. Eis algumas:

- Os ataques do Serra: ninguém questionou o "bom moço" sobre o que o governador Serra vem levantando da gestão anterior, tais como suspeitas de superfaturamento em contratos, contratação de obras sem licitação, contratos suspeitos com ONGs de amigos, existência de funcionários fantasmas, os problemas que levaram ao grave acidente no Metrô, a redução do programa Escola da Família, dentre outros;

- Oposição - Ao falar de oposição, Alckmin esqueceu do principal opositor que é o Serra hoje no governo do Estado. O governador está fazendo de tudo para eliminar a virtual candidatura Alckmin à Prefeitura em 2008, pois sua base de apoio na Assembléia exige o compromisso de apoiar a reeleição do prefeito Kassab;

- Malabarista - Os jornais também não perguntaram sobre o malabarismo pretendido por Alckmin, já que ele foi "contratado" como professor por duas faculdades paulistas e ainda diz que vai percorrer o país "para agradecer a votação" que obteve. Quem vai financiar esse passeio do tucano? Perguntas básicas.

- Fracasso educacional e Saúde - Por fim, outros dois assuntos praticamente foram deixados de lado: o fracasso educacional tucano em 12 anos (a Folha tocou timidamente no tema) e o caos na Saúde Pública paulista. Isso sem falar no enterro das CPIs, no mensalinho da Nossa Caixa para os deputados da base governista, dos problemas na CDHU, do Rodoanel, do projeto da Calha do Tietê...

No geral, as entrevistas trazem a fala de um político que o país quis ver longe da administração pública, cuja passagem pelo governo está sob investigação e, portanto, não tem credibilidade. Diante disso, só resta o jogo combinado da entrevista "sob a condição" de não ser incomodado.

Lula está de bola cheia

Do colunista Fernando Rodrigues na Folha de S. Paulo, hoje:

"A pesquisa Datafolha publicada ontem contém um elemento de caráter histórico: Lula é o presidente da República mais bem avaliado depois de três meses no Palácio do Planalto desde o retorno do país à democracia. O petista também acaba de bater seu próprio recorde. Em março de 2003 havia registrado 43% de "bom" e "ótimo" (percentual inédito para esse período de administração). Agora, tem 48%."

Assinante da Folha, leia mais aqui.

Aumenta a rejeição ao governo Kassab

Pesquisa DataFolha revela que 42% dos paulistanos consideram gestão Gilberto Kassab ruim ou péssima; em julho de 2006, índice era de 33%.

Após um ano de mandato, prefeito recebe nota média de 3,9; Serra, ao deixar a Prefeitura, era desaprovado por 8% dos moradores.

Assinante da Folha, leia mais aqui.

domingo, 25 de março de 2007

A polêmica da Praça do Forró continua

Os leitores do blog acompanharam a polêmica em torno da idéia da Subprefeitura de São Miguel Paulista de "mudar" o nome popular da "Praça do Forró", ponto de referência do distrito de São Miguel Paulista, na zona leste da Capital. Publiquei neste final de semana uma correspondência do militante cultural Válter Passarinho, que se disse indignado com a forma como a administração local trata o assunto.

De fato, a intenção da Subprefeitura de "alterar" a homenagem aos nordestinos está registrada em boletim publicado em fevereiro passado pelo Governo Local. Num dos trechos, que reproduzo abaixo, uma pergunta é feita de modo curioso aos leitores. Veja:

BOLETIM DA SUBPREFEITURA DE SÃO MIGUEL PAULISTA - FEVEREIRO DE 2007

Uma nova praça vem aí

"Você se lembra da Praça do Forró? a partir de março ela estará totalmente mudada. Até o nome. Vai resgatar seu nome original, Praça Padre Aleixo Monteiro Mafra, vai ganhar várias melhorias".

Quem leu o texto, à primeira vista poderia imaginar que a população mudou o nome da praça, o que nunca aconteceu. O nome 'oficial' continuou sendo Praça Padre Aleixo Monteiro Mafra, mas a reforma efetuada no governo da ex-prefeita Luiza Erundina - com a construção de um palco que reproduzia o formato de um chapéu de couro e a realização de animados concertos ao som do autêntico forró nordestino - acabaram levando o povo a chamar o local por um apelido que se popularizou.

Deve-se levar em conta que não se mudam as coisas por decreto e, muito menos, tentanto apagar a história de um lugar. Ainda mais quando a população se identifica com aquela expressão. O resto é coisa de quem não conhece a realidade local ou, se conhece, faz gestão deliberada para "alterar" o passado. E isso não ocorre assim.

A polêmica deve continuar. Quem é da região pode opinar aqui no blog.

Os números do descalabro

Dados publicados hoje pelo O Globo Online dão conta de que em 2006 foram roubados 235 mil carros em todo o Estado de São Paulo. Isso equivale a 7,8 mil carros por dia levados pelos bandidos em território paulista.

Para se ter uma idéia do descalabro dos números basta comparar com o seguinte: somente num feriado, a concessionário de rodovias Ecovias registra a descida de aproximadamente 240 mil carros em direção à Baixada Santista.

Rouba-se tanto carro em São Paulo que daria para fazer uma outra comparação: no espaço de um ano, seria como se todos os carros que descem à Baixada Santista num único feriado fossem roubados, sumissem...

Tudo isso bem nas barbas do governo tucano que está no poder em São Paulo há mais de doze anos!

A que ponto chegamos?

Do ÚLTIMO SEGUNDO, IG:

SÃO PAULO – "O Primeiro Comando da Capital (PCC) tem loteado terrenos próximos à Represa do Guarapiranga, no Jardim Ângela, zona sul da capital paulista. O grupo invade e subdivide as terras, além de cobrar mensalidade dos habitantes da região. Segundo os moradores, há partes do terreno onde só se pode circular com a permissão da facção". Leia mais

Onde estão as polícias Civil e Militar? Cadê o governador Serra?

Isto é um absurdo!!

sábado, 24 de março de 2007

Poema


As ensinanças da dúvida


Tive um chão (mas já faz tempo)
todo feito de certezas
tão duras como lajedos.

Agora (o tempo é que fez)
tenho um caminho de barro
umedecido de dúvidas.

Mas nele (devagar vou)
me cresce funda a certeza
de que vale a pena o amor

THIAGO DE MELLO

ETs pousam na Praça do Forró, em São Miguel


O bairro de São Miguel Paulista, predominantemente composto por nordestinos, tem como ponto de referência a popularmente conhecida Praça do Forró. No governo Luiza Erundina a população participou e decidiu fazer da arquitetura da praça também uma homenagem ao povo do Nordeste.

O governo atual, sem ouvir a população, fez uma reforma e destruiu a antiga arquitetura da praça. Recebemos a seguinte mensagem do Válter Passarinho, militante cultural da região:

"Olá amigos, gostaria que vocês se manifestassem a respeito da derrubada do palco na praça do forró. Bom, resumindo: lá tinha um palco que representava em sua arquitetura um chapéu de couro em homenagem ao povo nordestino.

A gestão atual gastou quase R$ 1.600.000,00 para reformar a praça e derrubaram o palco. Eu mesmo, em uma reunião com o atual subprefeito ouvi da boca dele que eles querem 'acabar com a história de que a praça seja Praça do Forró'. Várias pessoas já se manifestaram em repúdio e agora tem um debate na Comunidade Guia Cultural da Zona Leste SP (Orkut) que estão direcionando para problemas políticos e tentando justificar a 'cagada' que fizeram. Por isso entre e deixe o seu recado."

PS - Agora explico o título da postagem: a idéia do subprefeito Décio Ventura, de "acabar com essa história de Praça do Forró" é resultado de uma política de governo que privilegiou a entrega das subprefeituras a pessoas que não têm ligação alguma com a região. No caso de São Miguel, o subprefeito anterior (Samuel Moreira, eleito deputado estadual tucano) foi prefeito de Registro, no Vale do Ribeira, e o atual (Décio Ventura) veio da Prefeitura de Ilha Comprida. Ou seja, não conhecem a história local e tendem a não ouvir a comunidade. Ainda mais numa administração como a do Serra/Kassab...

Ainda sobre a posse de Marta Suplicy

Dos vereadores petistas da capital, não compareceram à posse da ministra os seguintes: Chico Macena, Arselino Tatto e Soninha Francine.

Arselino Tatto estava bem representado pelos irmãos deputados Jilmar e Ênnio Tatto.

Estavam presentes também o presidente do Legislativo Paulistano, Antonio Carlos Rodrigues, e o vereador e cantor Agnaldo Timóteo.

12 vereadores compareceram ontem à posse em Brasília.

Serra x Alckmin: o que o povo tem a ganhar?

O tucano Geraldo Alckmin volta a São Paulo com o objetivo de tentar recuperar o espaço perdido no cenário político, principalmente no interior de seu partido, o PSDB. Os tucanos não conseguem esconder mais as desavenças políticas entre os dois grupos (Alckmistas e Serristas) pelo controle do partido. Importantes cartadas estão sendo jogadas com vistas às eleições de 2008. Neste cenário, Alckmin tenta sobreviver, enquanto Serra - com seu estilo malvado - não esconde o desejo de exterminar o seu adversário interno, o mesmo que o impediu de ser candidato a presidente.

Para alcançar seu intento, o atual governador está desconstruindo aos poucos a imagem do seu antecessor. Para combater a imagem de bom gestor do Alckmin, Serra suspendeu ou rompeu contratos em diversas áreas do governo, alegando superfaturamento destes; mandou recadastrar o funcionalismo, dizendo existirem funcionários fantasmas e diminuiu recursos do programa Escola da Família, argumentando ineficiência do programa.

A imagem de “bom moço”, de governador “honesto”, que foi vendida à opinião pública com a guarida dos meios de comunicação, não suportou as primeiras investidas de seu sucessor. Bastou levantar um pedacinho do tapete que começou aparecer a enorme sujeira escondida durante todos estes anos: R$ 80 milhões em contatos sem licitação, para proteger uma entidade ligada a seus amigos.(este contrato está sendo investigado pelo Ministério Público); desvio de dinheiro do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT); fortes indícios de superfaturamento nas obras da linha 4 do Metrô - um contrato que devido às suas características, contribuiu para o grave acidente na futura estação Pinheiros; o mensalinho pago pelos contratos de publicidade do banco Nossa Caixa aos deputados governistas na Assembléia Legislativa; superfaturamento do Rodoanel...

O bom desta disputa entre eles é que o povo de São Paulo está podendo conhecer a verdade sobre estes 12 anos dos tucanos em nosso Estado. No fundo, houve "involuçao" no período governado pelo PSDB: o Estado de São Paulo perdeu importância econômica e política no cenário da República e, conseqüentemente, o nosso povo já está sofrendo os reflexos de seus erros.

sexta-feira, 23 de março de 2007

A posse de Marta Suplicy

Estive hoje (23) na posse de Marta Suplicy no Ministério do Turismo, em Brasília. Gostei do que ouvi. Ela disse que vai continuar tudo que o ministro Mares Guias estava fazendo de bom para o turismo brasileiro, e que diante da excelente gestão do ex-ministro do Turismo ela reconhece ser difícil. Seu desafio, porém, é fazer ainda mais e com a mesma perfeição. Disse também que vai impulsionar a indústria do turismo no Brasil.
Contudo, um um tipo de turismo que não terá guarida na sua gestão: o turismo sexual infantil. E concluiu dizendo que lugar desse tipo de explorador é na cadeia.

Parabéns, companheira Marta! Sua coragem, determinação e capacidade vão fazer de você uma grande ministra!

Deus nos acuda!

Da Agência Estado, hoje:

Serra promete 'turbinar' educação em São Paulo

São José dos Campos - "O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), afirmou hoje que pretende fazer uma grande ofensiva na área da Educação e no ensino técnico, com a implantação de projetos e programas que desenvolveu na Prefeitura. Ele citou, por exemplo, o programa ler e escrever, as aulas de reforço na quarta série, duas professoras por sala de aula no primeiro ano e a revisão, a partir do ano que vem, da progressão continuada - em vez de quatro para dois anos. "Vamos dar uma turbinada como nunca houve na história de São Paulo nessa área."

COMENTÁRIO BÁSICO: Ao trazer o Hubert Alquéres (ex-Secretário-Adjunto de Roseu Neubauer na Secretaria da Educação) para a Secretaria de Comunicação do governo do Estado, Serra sinaliza que vai mesmo "turbinar" a Educação em São Paulo. Se for para ligar as "turbinas" como fizeram a Rose e o Gabriel Chalita, Deus nos acuda!

Assim falou o "professor Alckmin"

Dia 9 de janeiro passado o ex-governador tucano Geraldo Alckmin visitou a Universidade Metropolitana de Santos (Unimes), oportunidade em que lançou mão dos seus conhecimentos políticos para homenagear a instituição. No site da Unimes (clique aqui) consta um discurso feito por Alckmin no qual ele cita o falecido cientista político e filósofo italiano Norberto Bobbio. Veja a citação de Bobbio usada pelo ex-governador na Unimes:

"Norberto Bobbio dizia que na Antiguidade as nações eram divididas entre as ricas e as pobres, sob o ponto de vista financeiro. Depois, eram divididas entre fortes e fracas, sob o ponto de vista militar e hoje, estão divididas entre aquelas que sabem e as que não sabem, ou seja, o mundo do conhecimento". Em seguida, o texto da universidade emenda com o seguinte: "Neste contexto, Alckmin situou a Unimes, que manteve a tradição e renovou o compromisso assumido com a Educação há 40 anos ao enfrentar o desafio de criar a UNIMES Virtual para oferecer cursos no modelo de Educação a Distância".

Agora leia notícia abaixo, publicada hoje (23) no jornal Folha de S. Paulo:

Alckmin dará aula em curso universitário

DA AGÊNCIA FOLHA, EM SANTOS

"Candidato derrotado do PSDB à Presidência da República e ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin se tornará professor universitário no litoral paulista. A Unimes (Universidade Metropolitana de Santos) anunciou a sua contratação como professor do curso de graduação em medicina e pós-graduação em comércio exterior".

Acrescento apenas um complemento, abaixo:
- A esposa do ex-governador, Lu Alckmin, e o deputado estadual tucano Paulo Alexandre Barbosa foram agraciados, em 2006, com o título do Mérito Comunitário, concedido pela Unimes.
- Paulo Alexandre foi secretário-adjunto da Secretaria da Educação na administração Alckmin, quando o secretário era Gabriel Chalita. O atual deputado tucano foi um dos coordenadores do programa Escola da Família e cursou Direito na Unimes.

Dica de vídeo da semana

Por Celina Sales

ZUZU ANGEL (Zuzu Angel, Brasil, 2006)

Elenco: Patrícia Pillar, Daniel de Oliveira, Leandra Leal, Luana Piovani, Paulo Betti, Nelson Dantas, Antônio Pitanga, Elke Maravilha

Sinopse - Cinebiografia de Zuzu Angel (Patrícia Pillar), estilista responsável pela fama do Brasil no mundo da moda internacional. O filme foca o drama vivido pela estilista mineira, cujo único filho, Stuart (Daniel de Oliveira), desapareceu durante a Ditadura Militar, nos anos 70. (www.cineclick.com.br)

Meu comentário - Acho imprescindível que não caia no esquecimento esse período nefasto da história do Brasil. Primeiro para que ele jamais se repita. Segundo e mais importante, para que as novas gerações possam conhecê-lo e rejeitá-lo. Zuzu buscou incansavelmente saber qual o paradeiro de seu filho, como tantas outras mães e tantos outros familiares daqueles que tombaram na luta em busca da sociedade que acreditavam ser a melhor para o povo brasileiro. São poucos os filmes que tratam dessa questão sem ser piegas. Este filme consegue transmitir as dores e angústias de uma mãe aflita. Vale lembrar que a música Angélica, de Chico Buarque e Miltinho foi composta para ela.

Se não a conhece procure ouvir, é belíssima.

Bom fim de semana!

Quando era o PT no governo...

O Jornal da Tarde de hoje (23) anuncia um movimentação política do prefeito Gilberto Kassab com o intuito de ganhar musculatura para a própria sucessão. A revelação dessa jogada da dupla Serra/Kassab coube ao jornalista Roberto Fonseca no início do ano: a criação de novas secretarias. Veja um trecho da matéria desta sexta-feira:

Novas pastas com PFL e PSDB

Kassab analisa nomes para secretarias extraordinárias que deve criar; atuação iria de idosos a religião

Roberto Fonseca

"Enquanto não envia à Câmara Municipal projeto para criar secretarias extraordinárias na Prefeitura - como o JT antecipou em fevereiro -, Gilberto Kassab (PFL) começa a definir nomes dos ocupantes das seis pastas em estudo; a maioria é de PSDB e PFL. Apesar de o governo negar planos de criar as secretarias, vereadores foram avisados pelo Executivo da proposta.

As pastas que devem ser criadas são: proteção dos mananciais, questões religiosas, idoso, desburocratização da máquina, combate à poluição visual e fiscalização de camelôs e bancas de jornal. Pela ordem, os nomes cotados são José Carlos Stangarlini (PSDB), Bispo Gê (PFL), Luiz Carlos Santos (PFL), Rodrigo Garcia (PFL), Roberto Tripoli (PV, ex-PSDB) e Ricardo Teixeira (PSDB). A pasta de mananciais pode ganhar mais funções de meio ambiente e proteção aos animais".

Clique aqui para ler a matéria completa.

quinta-feira, 22 de março de 2007

Contrato de Emergência

Encontra-se em tramitação na Câmara Municipal de São Paulo o Projeto de Lei 01/07, de autoria do Executivo, que versa sobre a prorrogação por até 12 (doze) meses dos contratos de emergência dos agentes de apoio contratados entre janeiro e maio de 2006. Essa possibilidade (prorrogação) somente se aplicará aos servidores que estiverem exercendo atividades vinculadas à fiscalização urbana.

O projeto em tela tem o "condão" de buscar resolver uma "emergência": a partir de 17/01/07 começaram a vencer os contratos de emergência dos Agentes de Apoio. Caso a Câmara não aprove o referido projeto, o Executivo terá de contratar outros servidores para executar tais funções. Os atuais servidores estão treinados para a função, e é em nome da eficiência administrativa que o prefeito está propondo a prorrogação dos atuais contratos.

Todavia, até quando vamos recorrer ao princípio da eficiência administrativa para justificar sucessivos contratos de emergência?

Em 2004, na gestão Marta Suplicy, foi realizado um concurso público para provimento dos cargos de Agente de Apoio em toda a administração. Esse concurso teve seu resultado homologado. A administração atual anulou o certame e, por pura inércia, não foi realizado outro.

Não é possível se arrogar de bons planejadores, como fazem eles, e não conseguir, se quer, realizar um concurso público para suprir as necessidades prementes da administração. É muita inoperância do atual governo.

Podemos aprovar o projeto do prefeito em nome da continuidade dos serviços públicos. Porém, devemos condicionar sua aprovação à realização de um concurso público para a contratação de agentes de apoio para ser realizado nos próximos 6 meses.

Concurso público para contratação de pessoal na administração direta e indireta é uma exigência constitucional. Não podemos deixar que - em nome de uma suposta eficiência administrativa - aquilo que é emergencial se tranforme em permanente. Pelo visto é isso que querem os atuais gestores do Poder Executivo Paulistano.

Qual é o jogo do Serra?

A abertura das comportas dessa verdadeira represa que segurava escândalos da gestão Geraldo Alckmin em São Paulo coincide com duas coisas, segundo acompanhamos na imprensa nos últimos tempos: a disputa eleitoral de 2006 - quando Alckmin atropelou Serra e saiu candidato a presidente - e a eleição deste para o governo do Estado. Também podem ser considerados elementos da sucessão municipal de 2008 e da presidencial de 2010, já que todo mundo sabe que Serra só tem olhos para esse outro momento. Vamos no deter na análise do "jogo" do governador.

Claro que, apesar da sua maldade política como todo adversário sabe, Serra não inventou nada - os escândalos são "de carne e osso" -, mas eram jogados meticulosamente para debaixo do tapete palácio adentro e imprensa afora. E os jornais continuam a trazer à tona a maré de desmandos tucanos dos tempos alckmistas, sem esquecer a revelação de alguns milímetros dos itens da caixa-preta tucana na Educação, por exemplo.

Hoje (22), o Jornal da Tarde traz uma matéria cujo título remete a um ditado conhecido. O título: Auditoria de Serra. Na gestão Alckmin. O ditado: Vingança é um prato que se come frio. Vou reproduzir dois trechos da referida matéria e comento em seguida:

"O governador José Serra (PSDB) determinou a apuração de todos os convênios feitos pela Secretaria Estadual do Trabalho entre 1999 e 2006, período quase todo dominado pela gestão do tucano Geraldo Alckmin no Palácio dos Bandeirantes. Ele governou de 2001 a 2006 - e de 1999 a 2001 era vice de Mário Covas.

A averiguação ocorre após o Ministério do Trabalho ter inscrito no Siafi (Sistema Integrado de Administração Financeira) as contas da pasta de 2002, 2003 e 2004, por suspeita de irregularidades no gasto de verba federal. Está sendo investigada a aplicação de R$ 7,3 milhões".

O governo atual, temendo parar de receber recursos do FAT, mandou apurar os indícios de desvio de recursos e de erros na prestação de contas dos contratos firmados por Alckmin. À primeira vista, tudo parece se resumir a uma rotina de apurações que um novo governo faz. Aparentemente é isso.

Mais ao fundo, pode-se perceber movimentações de um "jogo duplo", ou melhor, "multifacetado". O que o Serra estaria querendo dizer com essa movimentação política? Vamos a algumas alternativas:

1 - "Comendo friamente o prato da vingança" por ter sido tratorado por Alckmin na eleição presidencial passada;

2 - "Desidratando" a virtual candidatura de Alckmin à Prefeitura de São Paulo em 2008, mas deixando-a em condições de ser controlada por ele (Serra);

3 - Investindo fortemente no desejo dos aliados do PFL, que cobram o apoio incondicional do governador à reeleição do seu Secretário Estadual para Assuntos de Interesse Serrista na Capital, ou seja, o prefeito Gilberto Kassab;

4 - Por último: Serra estaria tentando "bater o escanteio e fazer o gol" - como se diz no futebol - ao querer controlar o jogo da sucessão municipal (no campo governista, claro!), se vingar de Alckmin e ainda aparecer como o "mágico da boa governança" (no marketing, óbvio!) para 2010.

Como o leitor do blog avalia esse conjunto de possibilidades? Opine!

PS - Claro que isso não está sendo combinado com o eleitorado. É puro xadrez político que se joga nas noites e dias do Palácio dos Bandeirantes. E com um só jogador, já que o Serra não gosta de ser "perturbado" enquanto trama sua próxima jogada...

Você sabia?

Que 15 mil toneladas de lixo são recolhidas por dia na cidade de São Paulo?

São 15 mil trabalhadores que cuidam da coleta e da varrição com salário médio de de R$ 544?

Que o lixo custa R$ 500 milhões por ano ao Tesouro municipal?

Greve pode deixar São Paulo ainda mais suja

Os trabalhadores que recolhem o lixo da cidade e fazem a varrição podem parar na próxima segunda feira, caso as empresas não atendem o pedido de aumento salarial da categoria.

O sindicato, que representa 15 mil trabalhadores, está reivindicando 12% de aumento salarial. Hoje, um lixeiro tem um salário médio de R$ 647,00. Já um varredor ganha R$ 544,00. É vergonhoso uma categoria tão importante para cidade ganhar tão pouco.

PS: A prefeitura de São Paulo gasta cerca de R$ 500 milhões por ano com o lixo na cidade. Esse dinheiro é repassado às empresas - que oferecem um serviço de péssima qualidade.

quarta-feira, 21 de março de 2007

Metrô: privatização disfarçada de parceria

O METRÔ DE SÃO PAULO COM OS TUCANOS:

"O governo do Estado entra com quase tudo e o setor privado não entra com quase nada. Isso não é parceria, isso é doação".

A análise acima é do presidente da Federação Nacional dos Metroviários, Wagner Fajardo, em entrevista ao site Conversa Afiada, do Paulo Henrique Amorim. Clique aqui para ler a entrevista.

Meu comentário - O caso do Metrô é outra "marca" tucana: fugir das responsabilidades, passando a terceiros as tarefas do Estado.

Criar uma Corregedoria ou fortalecer a Ouvidoria?

O prefeito enviou à Câmara Municipal o Projeto de Lei que cria a Corregedoria Geral do Município na Prefeitura de São Paulo. Este órgão ficará vinculado diretamente à Secretaria de Governo Municipal, com a atribuição de realizar as correições em órgãos e entidades da administração direta e indireta.

O problema é que as atribuições e competências da Corregedoria se sobrepõem - em vários aspectos - às da Ouvidoria Geral do Município, criada pela Lei 13.167/2001. Todavia, há diferenças de fundo nas atribuições dos dois órgãos. Compare:

-Corregedoria: não é independente, está submetida ao Secretário de Governo, não tem autonomia financeira e sua atribução é verificar a regularidade da ação administrativa nos órgãos da administração direta e indireta, através de correições ordinárias e/ou aquelas aprovadas ou determinadas pelo prefeito. Em outras palavras, vai fazer o que o chefe (prefeito) mandar.

-Ouvidoria: foi criada como um órgão independente, com autonomia finaceira, sendo que o Ouvidor Geral é indicado através de uma lista tríplice pela Comissão de Direitos Humanos e com um mandato de 2 anos, podendo desenvolver suas atribuições com imparcialidade e transparência, já que não existe qualquer hierarquia e subordinação ao Executivo. A Ouvidoria age mediante provocação, ou seja, é a população quem leva as denúncias até ela, além de poder proceder, também, a correições preliminares nos órgãos da administração.

A criação de mais um órgão (Corregedoria) sobrepondo-se ao já existente (Ouvidoria), e com função mais rebaixada, não se justifica. É desperdício de tempo e de dinheiro público.

O ideal é fortalecer a Ouvidoria Geral do Município, que é um órgão independente, dando-lhe ainda mais poderes para, de fato, cumprir com suas atribuições que é ser a voz dos munícipes na cidade de São Paulo.

Dinheiro ao invés de almas

Do Portal IG

- "Seu burro, perturbado, vagabundo, preguiçoso, canalha, endemoniado, almofadinha, derrotado e acomodado – vociferou o bispo Romualdo Panceiro, da Igreja Universal do Reino de Deus, possuído por uma metralhadora pentecostal de mal-dizeres e difamações. O rosário de edificantes adjetivos tinha como fiel depositário o então colega de religião Jenilton Melo dos Santos, pastor do mesmo templo que, segundo a contabilidade do bispo, não havia atingido a cota de arrecadação mensal de R$ 50 mil.

Aconselhado por outros tantos ex-pastores que foram demitidos pela mesma razão -não alcançar a divina cota mínima-, Santos recorreu à justiça dos homens.

A juíza Ana Paula Pellegrina Lockmann, da 2ª Vara do Trabalho de Piracicaba, não caiu no conto do Fausto pentecostal. Acaba de lavrar a sentença na qual condena o bispo boca-do-inferno, por danos morais, a indenizar o ex-pastor em R$ 50 mil, além de morrer com as despesas de custas de praxe. No momento da leitura da sentença, um velho contínuo do Fórum, aqui identificado apenas como sr. Jerônimo, ainda balbuciou para a juíza, atrás da cortina:

- Meritíssima, se Edir Macedo está mesmo comprando almas, avisa ao advogado que lá em casa tem uma dúzia, a um salário mínimo a cabeça, pra levar na hora, sem burocra, e eu ainda entrego em domicílio!". Leia mais

Educação em ruínas: uma "marca" tucana

O fracasso retumbante da política educacional em sucessivos governos do PSDB em São Paulo, como bem definiu a Folha de S. Paulo em editorial do dia 15 passado, ganhou nas últimas semanas uma série de "ilustrações" na imprensa. Matérias em diferentes jornais refletem o descaso e o abandono dessa que é uma das áreas mais sensíveis da sociedade, e que simplesmente foi relegada ao último plano em mais de 12 anos de tucanato. O abandono educacional é uma verdadeira "marca tucana" no Estado.

Hoje (21), o Jornal da Tarde publica reportagem de Gilberto Amendola inspirada numa postagem deste blog do dia 17 passado intitulada Mais sobre o abandono na Educação - que rememorava os anos perdidos da Educação sob o comando de Rose Neubauer na Secretaria Estadual da Educação - quando uma certa "reestruturação" fechou centenas de escolas paulistas, demitiu cerca de 40 mil professores e piorou as condições sociais, principalmente na periferia da Capital.

Reproduzo a seguir alguns trechos da reportagem Ex-escola vira ponto de drogados:

"Em outra época, essa poderia ser a divertida história de uma turma de amigos que invadiu as ruínas de uma escola abandonada e fez do lugar uma cidade sem lei ou adultos chatos. Pena que essa abordagem romântica não resistiria aos olhos vermelhos e vidrados do garoto de 13 anos que recebeu, ontem, a reportagem do JT. 'Pode entrar, mano. Mas não tira fotos da gente.'

'Na boa', os meninos mostraram o que sobrou das salas de aula, dos laboratórios e refeitórios do lugar. Absolutamente tudo o que havia de valor já foi levado. O portão foi furtado, as portas, janelas, vasos sanitários, fiação elétrica e lousas, também. Nas paredes que restaram, podem ser vistas pichações do tipo 'ladrãozinho suja a quebrada' e 'maconha'.

O mato cresce desordenadamente pelo terreno. Sapos e ratos são vistos a qualquer hora do dia. Restos de cachorros mortos são exibidos pela meninada como descobertas arqueológicas.

Na quadra poliesportiva, as redes foram arrancadas. No travessão de um dos gols, foi pendurada uma cabeça de boneco. 'Esse é o nosso Chuck. Ele quis matar a gente, mas a gente matou ele primeiro', disse um dos donos do pedaço.

As mães da Rua Orlando Fratucelli lamentam o fim da escola. Essas mulheres sabem que, sem ela, os meninos da região estão aprendendo 'outras coisas'. Uma moradora da rua disse, por exemplo, que o local virou um 'mocó de nóia, um lugar para consumo de drogas".

Assinante do JT clica aqui para ler a matéria completa.

PS LAMENTÁVEL - Eu pergunto aos leitores do blog: onde já se viu uma política de governo prever o fechamento de escolas? E essa é uma política de governo dos tucanos, além do abandono do que ainda existe, como no caso dos CEUs e outras unidades afins.

terça-feira, 20 de março de 2007

Alckmin e os R$ 80 milhões sem licitação

Como eu falei em postagens anteriores, o 'dique editorial' criado por parte da imprensa - que serviu de amparo aos tucanos - está rompido. Os desmandos não ficam um só dia sem freqüentar as páginas dos grandes jornais paulistas. O mais recente foi publicado nesta terça-feira (20) pelo jornal Diário de S. Paulo. Veja um trecho da reportagem Governo pagou R$ 80 milhões a ONG em contratos sem licitação:

"Durante os cinco anos da gestão do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), o estado fechou pelo menos 60 contratos, sem licitação, que somam cerca de R$ 80 milhões com o Instituto Uniemp -Fórum Permanente das Relações Universidade-Empresa, uma Organização Não-Governamental (ONG). Os contratos estão sendo investigados pelo Ministério Público Estadual (MPE), que vê indícios de irregularidade, já que a Uniemp subcobtratou outras empresas e institutos.

Um deles é o Instituto Via Pública, que tem entre sócios fundadores ex-integrantes de gestões tucanas. A cifra foi calculada com base em extratos de contratos e aditamentos publicados no Diário Oficial do Estado, entre 2001 e 2006".

PS - São os resquícios do "choque de gestão" do tucanato e aliados em São Paulo. Melhor dizendo, são as marcas do PSDB/PFL em mais de 12 anos...

Audiência Pública na Câmara Municipal

A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Municipal de São Paulo está convocando para segunda feira (26), às 10h, no salão Prestes Maia, Audiência Pública para debater o Projeto de Lei 125/07 - que versa sobre o incentivo fiscal às agremiações desportivas a ser utilizado no abatimento do Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU.

O IPTU, na verdade, é um imposto duplo: tributa tanto a área do terreno(daí ser "territorial") quanto a edificação (sendo portanto, designado "predial"). Atualmente, as agremiações desportivas têm isenção apenas do imposto predial, insenção que, no que se refere aos imóveis dos clubes de futebol da primeira divisão, incide apenas sobre os estádios. Quanto ao imposto territorial, as agremiações despotivas devem pagá-lo normalmente.

O projeto em tela propõe que pessoas físicas ou júrídicas poderão efetuar doações ao FUMCAD - Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente -, indicando uma agremiação desportiva que poderá utilizar-se do valor doado para abatimento do IPTU.

O abatimento poderá chegar a 100% (cem por cento) do valor doado, totalizando-se as doações em 31 de outubro de cada ano. As doações realizadas até dia 31/10 de um exercício somente poderão ser utilizadas para abatimento do IPTU do exercício subseqüente.

Para onde vão o recursos arrecadados? Esta é a principal falha do projeto. Na verdade, a proposta do Executivo é remeter para um decreto a destinação do dinheiro arrecadado.

Vejo com bons olhos a idéia. Porém, vamos a partir da audiência pública convocada, debatê-la, corrigi-la e apresentar um substitutivo que possa corrigir os defeitos apontados e outros que venham a surgir nos debates aqui na Câmara.

Convidamos todos os interessados a comparecerem à audiência pública para debater com os representantes do Executivo o Projeto de Lei. Já está confirmada a presença do Secretário de Esportes, Lazer e Recreação, Walter Feldman.

Ainda sobre os professores

"No programa de rádio Café com o presidente, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva conversou ontem com o ministro da Educação, Fernando Haddad, sobre o pacote educacional, lançado semana passada. Aos ouvintes, Lula disse que o aumento do piso salarial dos professores, que faz parte do pacote da educação, vai dar mais estímulo à categoria.

— Nós temos que ajudar os professores brasileiros a se reciclarem. Com o piso dos professores, a gente, certamente, vai melhorar o nível e a vontade deles de participar — disse Lula.

Ao divulgar o pacote de educação, na semana passada, o governo mostrou que pretende enviar ao Congresso projeto que estipula um piso salarial de R$ 800 para professores." Leia mais em O Globo.

Meu comentário: trata-se de um piso para todos os estados da Federação. Neste caso, acho um bom começo.

Mera coincidência...

Publico abaixo duas falas distintas, ambas publicadas no primeiro caderno da Folha de S. Paulo de hoje. Acompanhe:

(...) "No lugar de drásticos protestos contra o apagão dos vôos, o brasileiro faz estoque de livros, de iPods ou de "games" para celular -e agüenta o tranco na roleta-russa dos aeroportos".

(Clóvis Rossi, articulista da Folha, no artigo Roleta-russa, agora no ar).

"Lula disse que não brinca com saúde e educação, mas resolveu fazer roleta-russa com milhões de pessoas, sujeitando-as a humilhações e riscos nos aeroportos".

(Deputado ACM NETO (PFL-BA), na seção Tiroteio, do Painel da Folha).

Imagina-se ter sido uma coincidência daquelas, pois anos-luz de capacidade de elaboração separam tão distintos personagens. E o avô do deputado, ainda se recuperando de uma enfermidade, não teria cabeça no momento para soprar uma coisa assim pro netinho...

Sobre os professores

Os dados abaixo foram publicados no Jornal da Tardede hoje(20). A primeira parte cita um estudo da Secretaria Estadual de Educação. Em seguida, uma análise feita pelo mestre em Educação Eliseu Muniz, do Instituto Paulo Freire, ouvido pelo JT. Confira:

"Um levantamento da Secretaria Estadual de Educação mostra que 36 mil dos 212 mil professores da rede faltaram em 2006 e apresentaram atestado médico como justificativa. E 35,5% do total de professores usaram os seis abonos concedidos por lei durante o ano".

Por que eles faltam tanto?

"O profissional continua trabalhando, mas já desistiu da profissão. Temos fatores que desmotivam, tais como as condições precárias de trabalho, a dupla e até tripla jornada, a violência, baixos salários, processos pedagógicos mal estruturados que geram insatisfação e frustração dos profissionais da educação e, muitas vezes, até uma visão idealizada do aluno e da educação que o professor tem em seu processo de formação que não corresponde aos desafios da realidade do dia-a-dia da escola".

O que poderia ser feito para resolver o problema?

"Um bom salário é fundamental e o educador no Brasil, de forma geral, não ganha o suficiente para o exercício digno da profissão. Ou seja, o professor é um profissional da cultura, do saber. Desta forma, aumentar seus proventos é necessário e um bom começo". Leia mais

Su(gestão) pára-choque de gestão


Se interessar seguir a pista deixada por Serra com a idéia do Choque de Gestão II, os jornais poderão fazer um pouso breve nos Estados Unidos e empreender uma busca pelo ex-governador Geraldo Alckmin. Após encontrá-lo, talvez caiba uma perguntinha somente: o que ele pensa sobre o que o Serra pensa acerca do assunto?

Não vale perguntar se ele (Alckmin) acha essa idéia um "constrangimento" proposto por um companheiro de partido. E, muito menos, questionar um candidato ainda perturbado com uma derrota eleitoral se isso seria alguma 'vingança política', visto que poderia passar a impressão de que o Estado não tinha uma política de melhoria dos serviços públicos.

Aí já seria querer demais...

PS - Frase de pára-choque de caminhão (do site Pára-Choque de Caminhão) que caberia muito bem no caso do "choque" que o Serra planeja aplicar no funcionalismo estadual:

"A imaginação governa o mundo".

segunda-feira, 19 de março de 2007

Serra quer tirar leite de pedra

Dois dos grandes jornais do país (Estadão e JT) destacaram hoje o projeto do governador José Serra de criar um sistema de reajustes salariais para os servidores paulistas baseado no critério do "merecimento". Se fosse optar pelo óbvio, o governador poderia conceder o aumento de imediato, pois o funcionalismo estadual está há mais de 12 anos (de PSDB/PFL) sem ver a cor de um aumento. Um arrocho salarial sem precedentes - e isso já seria motivo de "merecimento"...

Retornando ao cerne da questão: tá na cara que Serra não apresenta projeto algum para melhorar a qualidade dos serviços públicos, vindo simplesmente com essa história de Choque de Gestão II - que aliás é capitaneado pelo mesmo secretário que já aplicou um ensaio da idéia na Prefeitura (com Serra/Kassab), depois de fazer o experimento em Minas Gerais. Na Capital, servidores foram tungados com o aumento da "contribuição" para os cofres da Prefeitura assim que José Serra colocou os pés no governo (em 2005).

A idéia é tão simples que qualquer um desconfia: você não melhora a qualidade, não oferece melhores condições de trabalho, nem toca na questão salarial e, em seguida, os "índices de excelência" aparecem como por obra e graça do destino. Ou, melhor dizendo, das canetas dos "gestores" (o apelido que os cargos de direção ganharão depois do tal choque e de uns cursos que serão ministrados). Seria o mesmo que tentar "tirar leite de pedra", como diz o ditado.

Já imaginou a correria que pode gerar a "mudança radical" no padrão (pelo menos no papel) da qualidade dos serviços hoje prestados por determinados órgãos da administração estadual? O governo entra com a "ordem de melhorar" e os servidores entram com o sangue, o suor, o esforço e a vontade de disputar a tapas, tapinhas nas costas (dos amigos) algumas migalhas que o governador pretende distribuir ao final do "choque".

Ironicamente, os serviços passarão mesmo por um "choque" algum tempo depois, bem como os usuários dos serviços diuturnamente sucateados pelos tucanos e aliados nesta longa década e pouco de governo...

O caminho natural dos representantes do funcionalismo será propor ações de combate a esse embuste, que cheira mesmo a truque eleitoreiro para programa vazio de uma candidatura vazia.

PS - Já foi criada uma "Secretaria de Gestão" para dar um "choque" nos cargos que, segundo a lenda, "nunca serão ocupados por tucanos ou aliados", visto que estes não fazem questão de cargos - dormem e acordam pensando no "bem comum"...

Em pauta, as enchentes paulistanas

Uma reportagem do site Conversa Afiada desta segunda-feira (19) trata da tragédia das enchentes que mexe com a vida do paulistano (clique aqui e veja a matéria).

Me chamou a atenção um comentário postado por um internauta no site do Paulo Henrique Amorim sobre o assunto. Leia o que ele disse e comentarei em seguida:

"É interessante notar que os internautas culpam mais o Serra do que o próprio Kassab pelas calamidades paulistanas".

Alvaro Manuel Marfan Lewis
alewis@uol.com.br

Meu comentário: quem colocou o Kassab na administração municipal?

Emendo na minha indagação o primeiro comentário, de outro internauta:

"Quando a Marta era Prefeita, a imprensa a tratava como a grande culpada das enchentes e sempre entrevistavam vários moradores irados jogando também a culpa na Marta. Nas enchentes da semana passada, muito piores que na época da Marta, a Globo, A Folha e os outros nossos conhecidos, trataram o tema como se não houvesse culpados, não entrevistaram ninguém e o Kassab e o Serra só eram mencionados para dizer que tudo estava sob controle e todas as providências estavam sendo tomadas. Cuidado com este embuste, pessoal. Não caiam nesta armação que estão montando para eleger um tucano presidente em 2010".

J. Eduardo

Precisa dizer mais?

Marta: ministra do Turismo

A ex-prefeita Marta Suplicy aceitou o convite para ser ministra do Turismo no governo Lula. Estou certo que ela vai fazer uma grande gestão: competência, coragem e determinação, a ministra tem de sobra.

Boa sorte Marta e sucesso nesta nova empreitada. Leia mais

Denunciem!

Esta semana um dos nossos leitores denunciou aqui no blog o abandono de uma escola. O meu mandato foi conferir de perto e constatou a calamidade. Em breve teremos a repercussão do assunto na imprensa.

Achei interessante utilizar o blog como canal para que os leitores possam expressar seu descontentamento com as políticas públicas em qualquer esfera governamental. Sintam-se à vontade, denunciem!

Sinistro!

Na região de Itaquera, mais precisamente na Vila Verde, tem uma obra tucana que é um verdadeiro sinistro educacional. Em breve este blog vai discutir este absurdo.

Uma boa aquisição

A ex-prefeita Marta Suplicy foi convidada para uma conversa com o presidente Lula hoje ao meio-dia. Tudo indica que será convidada para assumir o Ministério do Turismo.

Conheço bem a ex-prefeita, tive a grata satisfação de ser seu líder de governo na Câmara de São Paulo por dois anos. Seu dinamismo, criatividade e competência foram determinantes para o seu sucesso à frente do Executivo Paulistano. Aqui na cidade de São Paulo ela fez um governo inovador:

- Montou os Telecentros, o maior programa de inclusão digital do mundo, voltado para atender os jovens pobres da periferia;

- Construiu os CEUs (Centros Educacionais Unificados), escolas de alto padrão - todas na periferia - juntando a educação, o esporte e a cultura numa ação articulada como forma de ampliar o horizonte cultural dos alunos da Rede Pública de Ensino, bem como a integração com toda a comunidade local;

- Distribuiu gratuitamente mais de 1 milhão de uniformes escolares, todos os anos, para as crianças pobres dos bairros periféricos;

- Fez o Vai e Volta, programa de transporte gratuito para as crianças que moram distantes das escolas:

- Abriu 200 mil novas vagas nas escolas públicas, somando as construção de CÉUS e outras modalidades de escolas;

- Realizou o maior programa de Pavimentação Comunitária da história de São Paulo;

- Revolucionou o Transporte Coletivo, implantando o Bilhete Único, sistema que permite os usuários se dirigirem, no período de duas horas, a qualquer região da cidade pagando apenas o equivalente a uma condução;

- Estendeu a Radial Leste até o bairro de Guaianases, obra indispensável para o desenvolvimento da região leste da cidade;

- Iniciou a construção dos hospitais Tiradentes e M' Boi Mirim, obras que estão sendo concluídas pela atual gestão...

Tomaria muitas páginas se eu fosse descrever tudo que as ex-prefeita Marta Suplicy realizou em seu governo. Foram todas medidas inovadoras, corajosas e criativas voltadas para atender aqueles que mais precisam dos serviços públicos.

Tenho certeza que o presidente Lula estará levando para sua equipe uma pessoa competente e que vai engrandecer ainda mais o seu ministério. Com a ida da companheira Marta para o Governo Federal no posto anunciado, ganha o turismo brasileiro - que terá todo o seu dinamismo e criatividade para alavancá-lo fazendo com que a indústria do turismo seja um elemento importante para o crescimento econômico do nosso país.

Editorial aponta avanços do PDE

O Editorial Um bom plano, da Folha de S. Paulo de ontem (18), elogia o Plano de Desenvolvimento da Educação, lançado recentemente pelo governo federal. Reproduzo abaixo o parágrafo inicial do texto:

"O PLANO de Desenvolvimento da Educação (PDE), cujas diretrizes foram apresentadas nesta semana pelo ministro Fernando Haddad, foi recebido com elogios até mesmo por adversários políticos do governo Lula. A proposta é de fato positiva. Abrangente, ela prevê ações em todas as fases do ensino formal, das creches até a pós-graduação, atingindo os mais diversos atores, de alunos e docentes a diretores. São engenhosos alguns de seus mecanismos -como a criação de um indicador de qualidade que combine desempenho em provas com dados de repetência e evasão".

Assinante da Folha/UOL clica aqui para ler o Editorial completo.

Boa!

"O prefeito Kassab democratizou as enchentes. Agora, também a classe média fica alagada"

Do deputado estadual Rui Falcão

domingo, 18 de março de 2007

Teatro nas escolas

Do Jornal da Tarde, hoje:

"O JT, em parceria com o Núcleo de Comunicação e Educação da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (NCE/ECA-USP), coordenado pelo professor Ismar de Oliveira Soares, propõe uma aula sobre a utilização prática do improviso teatral para o entendimento e a vivência de um dos períodos mais fascinantes da história brasileira:(clique aqui) o início do governo de Maurício de Nassau no Brasil holandês. Essa atividade foi elaborada pelo cartunista Ruy Jobim Neto, formado em Cinema pela ECA, professor de Teatro, dramaturgo e autor de Guararapes, livro infantil sobre o Brasil holandês.

OBJETIVO

Essa atividade propõe, por meio de uma abordagem educomunicativa, a vivência teatral do período histórico proposto, por meio de situações similares às apresentadas nos documentos históricos. Para tanto, a aula sugere um trabalho interdisciplinar entre as áreas de história, geografia e artes, biologia, matemática, português e língua estrangeira".

MEU PROJETO NA ÁREA - Na Câmara Municipal de São Paulo apresentei um projeto de lei intitulado Pró-Teatro (Programa de Fomento ao Teatro Amador nas Escolas Municipais). O projeto de lei consiste em destinar um percentual de verba da Educação para que as escolas articulem em suas unidades a arte e a educação com o objetivo de ampliar os horizontes culturais e, conseqüentemente, elevar o nível de aprendizagem de seus alunos.

A idéia surgiu dos próprios professores da rede municipal - eu apenas estou servindo de instrumento para uma causa nobre. Elevar o nível cultural de nossa sociedade é tarefa de todos, políticos ou não.

Caro leitor: caso você tenha uma idéia de projeto de lei para o Município de São Paulo, envie-nos. Não se preocupe com a forma, os nossos assessores cuidarão de transformá-lo tecnicamente em projeto de lei.